Já há 120 mil portugueses a trabalhar de casa. Número quase duplicou em quatro anos

O número de trabalhadores a partir de casa tem vindo a aumentar nos últimos anos, principalmente na zona norte do país. A maioria são homens, com mais de 45 anos.

É cada vez maior o número de portugueses que trabalham a partir de casa. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), em apenas quatro anos, este indicador aumentou mais de 70% para um total de 120.000 trabalhadores. A maioria destes colaboradores está na zona do Algarve e tem mais de 45 anos.

No segundo trimestre de 2015, segundo o INE, eram 68.300 os portugueses que trabalhavam a partir de casa. Contudo, desde essa altura, esse número quase duplicou para um total de 120.700 trabalhadores, no segundo trimestre deste ano. A maioria são homens e têm mais de 45 anos de idade.

Numa análise por zona do país, é possível perceber que é na zona Norte (39%) que mais portugueses a trabalharem a partir de casa e na Área Metropolitana de Lisboa (31,2%). Pelo lado contrário, é no centro onde há menos pessoas a trabalharem remotamente.

Em termos de regime de contratação, a maioria destes trabalhadores a partir de casa trabalhavam por conta própria (84,7%), o que poderá indicar que se trata de freelancers. Em contrapartida, apenas 17.000 trabalhavam por conta de outrem.

De acordo com um estudo da consultora Savills, trabalhar remotamente e ter uma maior flexibilidade dentro do trabalho que se desempenha são dois fatores valorizados pelos trabalhadores, sendo que a maioria acredita que a cultura da empresa já prevê e encoraja a trabalhar de forma mais flexível.

Os dados do INE revelam ainda que a maioria dos portugueses que trabalha a partir de casa tem apenas o terceiro ciclo concluído (até ao 9.º ano).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já há 120 mil portugueses a trabalhar de casa. Número quase duplicou em quatro anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião