TAP é uma “bomba”, diz Marques Mendes. “Pode rebentar no bolso dos contribuintes”

Luís Marques Mendes alerta para a situação insustentável vivida na companhia aérea portuguesa. Diz que há o risco de esta "bomba" poder "rebentar no bolso dos contribuintes".

A TAP está a viver momentos conturbados. Marques Mendes diz que a situação é insustentável, olhando para as finanças da companhia aérea, alertando que há o risco de esta “bomba” poder “rebentar no bolso dos contribuintes”. Mesmo a nível da estrutura acionista há problemas, sendo que estão a decorrer negociações para a saída de Neeleman para a entrada de outro acionista europeu.

No habitual espaço de comentário na SIC, Marques Mendes lembrou os prejuízos que a companhia tem vindo a apresentar. Teve resultados líquidos negativos de 118 milhões de euros no ano passado, até setembro vai em 111 milhões, sendo que é provável que apresenta prejuízos de 140 a 150 milhões no total do ano. “Isto é uma calamidade“, disse.

A juntar aos prejuízos, o comentador alertou para as emissões de dívida realizadas pela empresa. Fez “três emissões de dívida este ano (janeiro, junho e novembro) em valores acima de 700 milhões de euros. Isto é muito preocupante”, salientando o elevado custo suportado na operação destinada apenas a investidores institucionais. Pagou quase 6%. “É demasiado. A Bloomberg diz que empresas semelhantes pagam 2,4%”, nota, acrescentando que o custo médio da dívida da TAP é de 3,7%.

A juntar a estes problemas financeiros, há um outro: conflito entre acionistas. “As relações entre o acionista americano e o acionista Estado é má e entre o acionista americano (David Neeleman) e o acionista privado português (Humberto Pedrosa, da Barraqueiro) também não é muito melhor”, disse, classificando a TAP como uma “bomba” que “pode rebentar. Onde? No bolso dos contribuintes”.

Marques Mendes salienta, contudo, que os conflitos entre acionistas podem estar prestes a serem resolvidos, nomeadamente com a saída de Neeleman.Já há conversas para mudança acionista”, revela na SIC. Pode sair o acionista estrangeiro e entrar outro estrangeiro europeu. Os contactos estão em curso”, diz, rematando que “não é sustentável a situação atual.

(Notícia atualizada às 21h25 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP é uma “bomba”, diz Marques Mendes. “Pode rebentar no bolso dos contribuintes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião