BRANDS' PESSOAS Como pode a psicologia positiva suportar a performance organizacional?

  • BRANDS' PESSOAS
  • 25 Novembro 2019

Joana Gonçalves Rebelo, EY Manager, e Joana Maia, EY Consultant, People Advisory Services, falam sobre como a psicologia positiva pode promover o aumento da satisfação dos colaboradores.

Nas organizações, a psicologia positiva pode ser utilizada de várias formas, sendo que o seu principal objetivo é promover o aumento da satisfação dos colaboradores, o engagement, a motivação, a performance, a capacidade de resolução de conflitos e a criatividade.

Passamos grande parte da nossa vida no local de trabalho: hoje sabemos que a felicidade no trabalho não é apenas um must have para os colaboradores – ela impacta de forma direta a performance organizacional.

Vivemos num mundo VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo) onde as mudanças acontecem a um ritmo acelerado e a capacidade de adaptação das organizações e das suas pessoas é fundamental para prosperarem.

Assim sendo as organizações procuram, cada vez mais, impactar de forma positiva a vida dos seus colaboradores como estratégia de retenção, promoção da performance e atração de talento sendo a psicologia positiva uma alternativa cada vez mais viável para o fazer. É utilizada para promover o aumento da satisfação dos colaboradores, o comprometimento, a motivação, o desempenho, a capacidade de resolução de conflitos e a criatividade. Todos estes fatores têm uma correlação direta com o bem-estar dos colaboradores.

Nos anos 90, Martin Seligman, definiu psicologia positiva como “o estudo científico do ótimo funcionamento do ser humano, cujo objetivo é descobrir e promover os fatores que possibilitam os indivíduos e comunidades a prosperar”.
Seligman procurou compreender a ciência por detrás das emoções de cada individuo, focando-se nos eventos positivos da vida. Com base nas suas descobertas, desenvolveu um modelo – Modelo PERMA – no qual identifica o que acredita ser a fórmula ideal para promover o bem-estar dos indivíduos: emoções positivas, comprometimento, relacionamentos, propósito e realização.

Seligman procurou ainda estudar o impacto do otimismo nas áreas de vendas. Quando uma organização o contactou por estar com dificuldades em recrutar pessoas com fit para os perfis da equipa de vendas, adicionou ao processo normal de recrutamento, um teste de otimismo, que desenvolveu. Nesse ano as vendas aumentaram 27% e no ano seguinte 57%. Este teste foi aplicado com sucesso em diversas indústrias, o que levou à conclusão que o otimismo é um preditor de sucesso.

A luta pelo talento é uma realidade, as novas gerações procuram benefícios que vão além do salário. Procuram trabalho com significado que dê clareza, sentido e felicidade em todos os aspetos da vida, pois a vida profissional e familiar são duas faces da mesma moeda.
Para além de significado, os colaboradores valorizam locais de trabalho onde conseguem estabelecer relações positivas com os pares, managers e líderes, sendo este fator importante para um sentimento de pertença.

Quando falamos em equipas de alto rendimento, por exemplo, a aplicação da psicologia positiva é na constituição destas equipas é uma mais-valia. Para além dos pilares base que caracterizam este tipo de equipas, o comportamento e atitude de cada colaborador é determinante para o sucesso da mesma. Um mindset fixo, pode ser prejudicial para o desempenho assim sendo desenvolver o mindset de crescimento através de técnicas específicas é possível, sendo o fundamental o papel da liderança neste ponto. Mais ainda ao desenvolver a liderança autêntica potenciamos ainda mais a performance, promovendo ambientes de lealdade, confiança e honestidade entre todos os colaboradores da empresa.

São inúmeras as práticas de Recursos Humanos que podem ser implementadas nas organizações com base na psicologia positiva, centradas no indivíduo e, por conseguinte, centradas no futuro da própria organização. Práticas organizacionais, assentes na psicologia positiva elevam o conceito de trabalho, e são um fator diferenciador na captação, retenção e desenvolvimento de talento. A título de exemplo assinalamos a utilização do inquérito apreciativo na resolução de problemas, a resolução de problemas focados em resultados win-win e feedback assente no pressuposto “Eu estou ok, tu estás ok”.

Quando são criadas medidas e políticas sustentadas na psicologia positiva, as organizações prosperam. Neste sentido, assegurar colaboradores dedicados à construção de uma experiência positiva do colaborador nas organizações torna-se imperativo.

Na sua organização, a felicidade dos colaboradores é parte da estratégia?

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

Comentários ({{ total }})

Como pode a psicologia positiva suportar a performance organizacional?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião