Holanda diz que “ainda é muito cedo” para falar sobre produção de hidrogénio em Sines

  • ECO
  • 25 Novembro 2019

Depois de João Galamba ter anunciado um investimento de 600 milhões de euros para instalar uma central solar em Sines e produzir hidrogénio para a Holanda, o país veio moderar as expectativas.

A Holanda considera que “ainda é muito cedo” para falar em detalhes acerca do projeto de instalar uma central solar em Sines para produzir hidrogénio verde. O país está “seriamente” interessado em importar este gás a partir de Portugal, mas está a encarar estas intenções com prudência, avançou o Dinheiro Vivo.

O secretário de Estado da Energia, João Galamba, anunciou, a semana passada, um projeto para produzir hidrogénio em Sines através de energia renovável gerada por painéis solares, mediante a instalação de uma central solar com 1 GW de capacidade instalada. O investimento previsto neste projeto, a desenvolver em conjunto com a Holanda, rondará os 600 milhões de euros, disse o governante à TSF.

Porém, ao Dinheiro Vivo, Noé van Hulst, do Ministério da Economia e Política Climática da Holanda, que reuniu com Galamba em Bruxelas para negociar este projeto, foi mais moderado. Sim, a Holanda “está seriamente interessada em explorar várias opções para importar hidrogénio verde”, mas “ainda é muito cedo” para falar em projetos fechados.

“Tivemos uma reunião em Bruxelas para falar sobre os próximos passos a seguir, incluindo de que forma este plano se pode enquadrar nas regras da União Europeia. Mas ainda é muito cedo para dizer mais do que isto, neste momento”, disse ao jornal o enviado especial do Governo holandês. A Holanda acredita que o hidrogénio poderá ser crítico na transição para uma economia mais “verde”.

“O hidrogénio é uma das poucas formas possíveis de descarbonizar os setores da indústria e transportes pesados de mercadorias, para os quais outras opções são mais caras e obrigam a um armazenamento sazonal de energia”, considerou Noé van Hulst.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Holanda diz que “ainda é muito cedo” para falar sobre produção de hidrogénio em Sines

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião