Seguros de saúde? 57% usa-os. Restantes só pagam

  • ECO Seguros
  • 25 Novembro 2019

As companhias pagam um custo médio anual de 383 euros por cada uma das 1,3 milhões de pessoas que utiliza o seguro de saúde/doença.

Das 2,2 milhões de pessoas com seguros de saúde ativo em 2018, mais de 1,3 milhões recorreram às seguradoras para reembolsos ou usufruto dos serviços, 57% do total. Essas participações custaram às companhias, em média, 383 euros por queixoso.

Ao longo de 2018, 2.227.469 pessoas estavam cobertas por seguros de saúde, um valor superior em 4,1% ao registado em 2017. Esses dados foram agregados e divulgados pela APS — Associação Portuguesa de Seguradores com base em informação fornecidos pelas seguradoras a operar neste mercado de saúde/doença em Portugal.

Das pessoas seguras, 1,3 milhões apresentaram ocorrências ou, em rigor, sinistros às seguradoras que implicaram custos para as companhias no valor de 502 milhões de euros, o que representou uma comparticipação de 64,4% para um valor total de 782 milhões de euros anuais de despesas realizadas em saúde pelos segurados em 2018.

O valor médio segurado por pessoa é de 2.148.756 euros no caso das situações em Managed Care, que inclui todos os contratos que permitam às pessoas seguras o acesso às redes de prestadores, desde que exista uma componente de risco associada ao contrato. Neste contexto, estão incluídos também os seguros com acesso à rede que permitam posteriormente solicitar reembolso. Já nos casos de apenas reembolso de despesas, o valor médio das pessoas seguras é de 78.713 euros.

Quanto a garantias para os segurados, o internamento hospitalar tem um valor médio de 2.128 euros por pessoa e é o tipo de garantia mais elevado, seguido do ambulatório com 1.752 euros, o parto com 1.372, Estomatologia com 1.081, encerrando com medicamentos com cobertura média de 595 euros por ano.

Se os montantes pagos pelas seguradoras a prestadores de serviços de saúde ascendeu a 502 milhões de euros, a maior fatia deu-se em ambulatório em que as seguradoras pagaram 218 milhões de euros, ou seja, 59,4% do valor dos tratamentos dos segurados. O internamento hospitalar já custou 204 milhões de euros, correspondendo a 82,3% das faturas dos prestadores desses serviços. A estomatologia levou 40,7 milhões de euros, 43,1% das despesas dos segurados. Próteses custaram 21 milhões de euros às companhias, 45,3% das despesas apresentadas. Partos custaram 10,3 milhões de euros, tendo as companhias pago 73,5% das despesas totais apresentadas pelas seguradas. Finalmente, as companhias ainda gastaram 7,2 milhões de euros em medicamentos, 63,9% das despesas totais dos doentes com seguros de saúde.

Seguros de saúde são lucrativos

Segundo a ASF, na sua Análise de Riscos do Setor Segurador e dos Fundos de Pensões 2019, relativo aos valores de 2018, as seguradoras, cujos valores pouco diferem, da análise da APS, o setor dos seguros de doença registou uma taxa de sinistralidade, ou seja uma diferença entre prémios recebidos e indemnizações pagas de 72,5%. Se a estes valores se adicionarem os 17,3% de despesas diretas de gestão das companhias neste ramo dos seguros, conclui-se que o total dos custos de exploração se situa em 89,8% dos prémios recebidos. Esse indicador significa que as seguradoras ganharam em 2018 cerca de 70 milhões de euros explorando este negócio.

Prémios de seguros de saúde/doença (Milhões de euros)

Fonte: APSOs seguros da saúde têm aumentado de valor enquanto negócio mais pelo aumento do número de pessoas que pelo valor dos prémios, já que é um segmento com forte concorrência. Praticamente todas as seguradoras comercias oferecem produtos de saúde/doença no seu portfolio.

O crescimento médio anual quanto a prémios emitidos foi de 7,8% nos últimos três anos, altura em que se verificou menor capacidade de resposta do serviço nacional de saúde.

Em valores médios o prémio anual pago por cada pessoa por um seguro de saúde é de 317 euros, cerca de 26 euros por mês.

Em 2018, as maiores operadoras de seguros de saúde foram, ordenadas pelo valor de prémios emitidos em milhares de euros, as seguintes:

Fonte: APS

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguros de saúde? 57% usa-os. Restantes só pagam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião