Associação Portuguesa de Imprensa pondera comprar parte dos CTT

  • Lusa
  • 26 Novembro 2019

O presidente da Associação Portuguesa de Imprensa (API), João Palmeiro, disse eque a entidade pondera "candidatar-se a comprar parte dos Correios".

O presidente da Associação Portuguesa de Imprensa (API), João Palmeiro, disse esta terça-feira que a entidade pondera “candidatar-se a comprar parte dos Correios” para “não deixar na mão de particulares” o futuro das publicações que representa.

“A situação para nós é tão séria que a API prevê a possibilidade de, se tal for necessário e possível, candidatar-se a comprar parte dos Correios”, disse João Palmeiro numa audiência no Parlamento, em Lisboa, na comissão de Cultura e Comunicação.

O responsável fazia referência à situação relacionada com o fim do contrato do serviço de postal universal em 2020, e deu esta medida como exemplo do quão “determinada” está a API em “mover as montanhas que sejam necessárias”. “Uma vez, deixámos na mão de privados, de particulares, o futuro das publicações que representamos. Não o vamos fazer uma segunda vez”, garantiu.

A questão dos Correios já tinha sido abordada na audiência por Vítor Brás, vice-presidente da API. “O problema da imprensa é complicadíssimo, como todos conhecemos. Mas estamos agregados a um problema tão ou mais complicado, que são os Correios“, referiu.

Vítor Brás referiu que “não há experiência em Portugal de renovação de contratos deste tipo”, que a negociação “demora algum tempo” e “ainda não começou”. “Um assinante da imprensa, quando assina por um ano uma publicação, se assinar em fevereiro [de 2020], termina em fevereiro de 2021. E eu não tenho a certeza que em janeiro de 2021 tenha Correios tal como tenho hoje. Porque não tenho nenhuma segurança do que vai acontecer“, afirmou.

Vítor Brás disse ainda que “sem correios a imprensa regional não sobrevive”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Associação Portuguesa de Imprensa pondera comprar parte dos CTT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião