Governo já fixou critério para aumentos salariais. Siza Vieira quer subidas acima da inflação e da produtividade

Governo já fixou critério para aumentos salariais. Siza Vieira, à entrada da reunião da concertação social, frisou que quer subidas acima da inflação e da produtividade. A soma dos indicadores é 2,8%.

O ministro da Economia disse, esta quarta-feira, que o Executivo espera conseguir um acordo com os parceiros sociais para aumentar salários acima da inflação e da produtividade, no âmbito do acordo global sobre rendimentos e competitividade.

“Aquilo que desejamos é que os salários em Portugal possam crescer acima daquilo que é a soma da inflação e da produtividade para podermos caminhar para uma mais justa repartição dos salários no PIB”, sublinhou Pedro Siza Vieira, à entrada da reunião com os parceiros sociais. De acordo com as previsões do Executivo, inscritas no Programa de Estabilidade enviada a Bruxelas, a inflação (harmonizada) prevista para o próximo ano é de 1,5% e os ganhos de produtividade deverão ascender a 1,3%. Isto quer dizer que no critério fixado pelo número dois do Governo, o referencial para os aumentos salariais em sede de contratação coletiva deverá ronda os 2,8%.

Previsões do Programa de Estabilidade

Fonte: Programa de Estabilidade

O ministro da Economia frisou ainda, esta manhã, que “é muito importante que nos próximos anos possamos ter políticas públicas” que apoiem o crescimento da produtividade das empresas portuguesas, nomeadamente através de medidas que incentivem o investimento, a formação profissional dos trabalhadores e a inovação, bem como reduzam os custos de contexto.

“Ao mesmo tempo queremos também ter o compromisso dos parceiros sociais que à medida que vamos tendo ganhos de produtividade caminhamos também para recuperar a porção dos rendimentos do trabalho na riqueza produzida em Portugal”, acrescentou o governante.

Siza Vieira fez ainda questão de indicar que é preciso subir os salários médios e medianos, valorizando os trabalhadores mais qualificados, especialmente os mais jovens. Este compromisso já tinha sido frisado por António Costa no primeiro debate quinzenal desta legislatura. “Temos hoje em dia a geração mais bem preparada de sempre, mas infelizmente ainda não temos a remuneração mais justa de sempre”, disse, nessa ocasião, o primeiro-ministro, defendendo que é preciso reforçar o “prémio remuneratório” para os jovens qualificados.

(Notícia atualizada às 10h38)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo já fixou critério para aumentos salariais. Siza Vieira quer subidas acima da inflação e da produtividade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião