Notas de euro assinadas por Lagarde chegam na segunda metade de 2020

  • ECO e Lusa
  • 27 Novembro 2019

Será a primeira vez que as notas terão a assinatura de uma mulher. Anteriores têm assinaturas de Mario Draghi, Jean Claude Trichet e Wim Duisenberg, que antecederam Lagarde no BCE.

Presidente do BCE, Christine Lagarde assinou as “suas” primeiras notas de euro.Flickr/BCE

Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE) desde o passado dia 1 de novembro, rubricou pela primeira vez a sua assinatura nas notas de euro, que deverão entrar em circulação na segunda metade do próximo ano.

Também será a primeira vez que as notas de euro terão a assinatura de uma mulher, depois das anteriores terem sido assinadas por Mario Draghi, Jean Claude Trichet e Wim Duisenberg, que antecederam Lagarde na presidência do BCE.

Na cerimónia em que deu a assinatura que aparecerá nas notas de euro que serão imprimidas brevemente, Christine Lagarde considerou que numa união de países diferentes “é mais difícil intrinsecamente promover uma identidade comum e um sentido de destino comum que num único país”.

A nova presidente do BCE adiantou que o euro é “o símbolo mais tangível da integração europeia, um processo que trouxe paz, liberdade e prosperidade ao continente”. “As notas de euros permitem-nos trabalhar, estudar e viajar em 19 países diferentes sem ter que trocar dinheiro. O euro testemunha o grau de integração que conseguimos”, defendeu.

"As notas de euros permitem-nos trabalhar, estudar e viajar em 19 países diferentes sem ter que trocar dinheiro. O euro testemunha o grau de integração que conseguimos.”

Christine Lagarde

Presidente do BCE

Atualmente há 23.000 milhões de notas de euros em circulação com um valor global de 1,26 biliões de euros, dos quais um terço é usado fora da zona euro.

As imagens das notas, que refletem diferentes estilos arquitetónicos na História da Europa, mostram que, “apesar da nossa diversidade, partilhamos uma cultura”, afirmou Lagarde.

A presidente do BCE sublinhou que 76% dos cidadãos da zona euro está a favor da moeda única e que a confiança no euro existe.

“Mas demora-se anos a criar a confiança e segundos a perdê-la”, por isso é necessário assegurar que as notas são seguras, os sistemas de pagamento são robustos e o valor do euro é estável, segundo Lagarde.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Notas de euro assinadas por Lagarde chegam na segunda metade de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião