Banco de Portugal já está na base de dados da Função Pública. Tinha 1.658 trabalhadores em setembro

A base de dados da Função Pública conta pela primeira vez com informações sobre quantos trabalhadores tem o Banco de Portugal. O banco perdeu 32 trabalhadores em nove meses.

O Banco de Portugal (BdP) tinha 1.658 trabalhadores em setembro, revela a Síntese Estatística de Emprego Público que a Direção-Geral da Administração e Emprego Público (DGAEP) publicou esta quarta-feira. Esta é a primeira vez que o banco central presta esta informação ao Estado e decorre de uma lei aprovada no Parlamento no final da legislatura passada, que o BdP contestou. O banco perdeu 32 funcionários em nove meses.

“No final do terceiro trimestre de 2019, o emprego nas entidades públicas que integram os subsectores das sociedades não financeiras e financeiras públicas detidas pela administração central revela um aumento de 1.609 postos de trabalho face ao final do segundo trimestre, e uma variação homóloga positiva de 5,5% (mais 1.224 postos de trabalho), devido ao registo de dados pelo Banco de Portugal, na sequência da aprovação da Lei n.º 104/2019, de 06/09”, lê-se na síntese da DGAEP.

No quadro que acompanha esta informação é possível ver que o Banco de Portugal reportou que em setembro tinha 1.658 postos de trabalho. Estes são os trabalhadores que estão em efetividade de funções pelo que comparam com os 1.690 que o Banco de Portugal revelou ter na mesma situação no último dia de 2018.

Assim, comparando o relatório anual do conselho de administração do banco central, publicado em maio, com a informação hoje conhecida através da DGAEP é possível ver que em nove meses o banco perdeu 32 trabalhadores.

Esta evolução é contrária à que o Banco de Portugal tem como meta. No relatório do conselho de administração do banco central, a instituição revelava ter como objetivo de “atingir 1.700 colaboradores em efetividade de funções em 2020”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal já está na base de dados da Função Pública. Tinha 1.658 trabalhadores em setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião