Descida do IVA na eletricidade seria “uma excelente notícia”

  • Lusa
  • 28 Novembro 2019

O presidente da da APREN considera que a redução do IVA na eletrecidade de 13% para 6% seria uma "excelente notícia" e relembra que Portugal é o país com "a oitava eletricidade mais cara do mundo".

O presidente da Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN) considerou esta quinta-feira que a descida do IVA na eletricidade seria uma “excelente notícia”, referindo que Portugal tem eletricidade mais cara devido a “um conjunto de impostos”.

“Isso é um tema político, mas obviamente que se efetivamente o Orçamento do Estado puder prescindir desse IVA na eletricidade para nós é fantástico, porque Portugal tem a oitava eletricidade mais cara do mundo, tendo em conta um conjunto de impostos e tarifas que lhe são imputadas”, afirmou Pedro Amaral Jorge, quando questionado sobre a eventual descida do IVA sobre a energia.

Em declarações à agência Lusa, no dia em que a APREN promove a Cimeira Portugal Renovável 2019, a decorrer em Lisboa, o presidente da APREN defendeu que “quanto menos impostos incidirem [sobre o preço da eletricidade] melhor a perceção dos consumidores e as pessoas podem ter mais conforto térmico e energético se a eletricidade puder baixar o preço por via da redução fiscal”.

O Expresso e o Observador noticiaram que, embora o Governo só agora tenha começado a negociar a proposta de Orçamento do Estado para 2020, arrisca-se já a ver uma coligação (PSD, PCP e BE) aprovar a redução do IVA sobre a energia para a taxa mínima, de 6%, em vez dos atuais 23%, uma medida que pode ter um custo de várias centenas de milhões de euros para o orçamento.

Pedro Amaral Jorge defendeu que para Portugal alcançar as metas de transição energética, inscritas no Plano Nacional de Energia e Clima (PNEC) 2030, “importa assegurar estabilidade regulatória e que não haja surpresas do ponto de vista da fiscalidade ou da tributação extemporânea às renováveis, perturbando a capacidade de captar investimento”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Descida do IVA na eletricidade seria “uma excelente notícia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião