Finanças negam 80 milhões de euros a Cabrita para os polícias

  • ECO
  • 28 Novembro 2019

Eduardo Cabrita pretende um aumento de 5% no orçamento do Ministério da Administração Interna, mas Mário Centeno tenciona limitar aumentos a 1% em todos os ministérios no próximo ano.

Os ministros Eduardo Cabrita e Mário Centeno não se entendem quanto ao aumento do orçamento do Ministério da Administração Interna para o próximo ano. Cabrita defende um aumento de 5%, em torno de 80 milhões de euros, para poder fazer face às reivindicações das forças de segurança. Mas Centeno tenciona aplicar a regra dos 1% a todos os ministérios, o que significará apenas mais 16 milhões de euros.

A notícia foi avançada esta quinta-feira pelo Público (acesso condicionado), que indica haver uma “tensão” entre os dois governantes. A avançar, a proposta de Mário Centeno dotará o ministério com a tutela das Forças de Segurança de 1.614 milhões de euros, mas Cabrita entende precisar de 1.678 milhões para, entre outras coisas, regularizar os salários dos agentes e pagar despesas extraordinárias, como suplementos remuneratórios nas férias e até a organização das eleições Presidenciais de 2021.

O Público aponta mesmo que, no início desta década, os agentes das forças de segurança ganhavam, em média, 60% mais do que o salário mínimo nacional. Atualmente, os salários continuam acima do salário mínimo, mas em apenas 24%.

Esta notícia surge pouco depois de se saber que continua por cumprir a promessa de Cabrita, feita em maio, de incorporar 200 novos militares no efetivo da GNR. Esta pretensão estará suspensa por falta de uma autorização do Ministério das Finanças.

As reivindicações dos polícias voltaram à ordem do dia depois da manifestação da semana passada, que foi usada pelo deputado do Chega, André Ventura, como palco para um discurso extremado à direita. O primeiro-ministro, António Costa, estará atento ao designado “Movimento Zero” e satisfazer estas reivindicações ajudaria a esvaziá-lo, de acordo com o mesmo jornal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finanças negam 80 milhões de euros a Cabrita para os polícias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião