CCP: “Não há condições políticas realistas para baixar IRC”

  • ECO
  • 28 Novembro 2019

A Confederação Portuguesa do Comércio e Serviços propôs alguns benefícios às empresas como contrapartida pelo aumento dos salários. Mas, Vieira Lopes reconhece que não há condições para baixar o IRC.

João Vieira Lopes, presidente da Confederação Portuguesa do Comércio e Serviços (CCP), admite que foram propostos ao Governo “alguns benefícios às empresas que lhes permitam absorver” os aumentos salariais resultantes da subida do salário mínimo para 635 euros em 2020.

Entre elas está uma redução das tributações autónomas, porque “não há condições políticas realistas para baixar a taxa nominal de IRC”, disse, em entrevista ao Público (acesso condicionado) e Renascença (acesso livre). Além desta medida, Vieira Lopes reconheceu que “o Governo mostrou-se aberto a discutir benefícios fiscais para quem invista os lucros na atividade da empresa em vez de os distribuir”.

A discussão sobre fiscalidade já está agendada, ainda para antes da apresentação do Orçamento do Estado, mas nada está garantido. “Da parte do Governo, há muito pouca definição”, reiterou, apontando que o documento que o Governo apresentou “é uma elencagem genérica de questões”. “Isto é um livro aberto”, disse Vieira Lopes.

Ainda assim, para o presidente da CCP, o caminho passará mais pelo aumento do rendimento disponível das famílias, por exemplo através da redução do IVA da eletricidade. “O problema é o rendimento disponível dos consumidores e a necessidade de investimento e a descapitalização estrutural das empresas”, defendeu, já que o “estrito cumprimento das obrigações europeias” por parte dos governos “tem sido desastroso”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CCP: “Não há condições políticas realistas para baixar IRC”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião