Forbes: Estas são as mulheres mais poderosas no mundo dos negócios em Portugal

Entre a lista das 20 mulheres mais poderosas em Portugal estão nomes como Paula Amorim, Cláudia Azevedo, Leonor Beleza ou Cristina Ferreira. A lista completa é divulgada pela Forbes.

A Forbes divulga esta segunda-feira a lista das 20 mulheres mais poderosas no mundo empresarial em Portugal.

Entre a lista das lideres portuguesas mais poderosas constam nomes bem conhecidos como Paula Amorim, que comanda um império de 4 mil milhões de euros, que lidera o ranking. Ainda assim, há outros nomes bem conhecidos do público português como a apresentadora da SIC Cristina Ferreira, a presidente da Fundação Champalimaud, Leonor Beleza, ou a presidente executiva da Sonae, Cláudia Azevedo.

“Da lista fazem parte investidoras, empreendedoras e presidentes-executivas de grandes empresas. É o caso de Cláudia Azevedo, que lidera a Sonae, uma empresa com vários braços que factura anualmente mais de 6 mil milhões de euros; de Manuela Medeiros, que fundou a Parfois em 1994 e a transformou na marca portuguesa de acessórios de moda mais conhecida no mundo; ou de Cristina Ferreira, a rainha das audiências, que contribuiu sobremaneira para que a SIC recuperasse a liderança no espaço televisivo nacional que lhe fugia há 12 anos”, escreve a Forbes na revista que vai para as bancas na segunda-feira.

Conheça 10 das mulheres mais poderosas de Portugal:

1. Paula Amorim
Presidente-executiva da Amorim Investimentos e Participações SGPS

2. Cláudia Azevedo
Presidente-executiva da Sonae

3. Manuela Medeiros
Fundadora e presidente-executiva da Parfois

4. Leonor Beleza
Presidente da Fundação Champalimaud

5. Isabel Mota
Presidente da Fundação Gulbenkian

6. Maria Cândida Rocha e Silva
Fundadora e presidente do Banco Carregosa

7. Cristina Ferreira
Apresentadora de televisão

8. Patrícia Bensaude
Presidente do grupo Bensaude

9. Isabel Vaz
Presidente-executiva da Luz Saúde

10. Ana Rebelo de Mendonça
Acionista da Promendo (controla a Cofina e a Altri)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Forbes: Estas são as mulheres mais poderosas no mundo dos negócios em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião