Patrão de Mário Lino detido após negócios suspeitos de venda de pernil à Venezuela

  • ECO
  • 29 Novembro 2019

Administradores da Iguarivarius são suspeitos de fuga ao Fisco em negócio milionário de venda de carne de porco à Venezuela. Cavalleri, patrão da empresa, terá sido apanhado com arma de fogo.

Alexandre Cavalleri, líder da empresa alimentar Iguarivarius, foi detido esta quarta-feira por posse de arma de fogo ilegal na sequência da Operação Navidad, uma investigação das autoridades a negócios de venda de pernil de porco a uma empresa estatal da Venezuela. A notícia foi avançada pelo Correio da Manhã (acesso pago).

Em causa, dez buscas domiciliárias e não domiciliárias levadas a cabo pela Polícia Judiciária, através da Direção de Serviços de Investigação da Fraude e de Ações Especiais e da Unidade Nacional de Combate à Corrupção. Sob suspeita estão negócios entre a Iguarivarius e o Comité Local de Abastecimentos e Produção da Venezuela, no valor de 60 milhões de euros, que levaram à constituição como arguidos de outros dois administradores da empresa e de três sociedades instrumentais, segundo o mesmo jornal.

As autoridades suspeitam de uma fraude fiscal de sete milhões de euros em comissões avultadas recebidas pelos arguidos e que foram enviadas para sociedades offshore, prejudicando o Estado em sede de IRC e IRS.

Até final de 2018, a empresa teve como administradores o ex-chefe de gabinete de Paulo Portas quando este era ministro da Defesa de Durão Barroso, Manuel Mendes Brandão, e também Mário Lino, que foi ministro do Equipamento num dos governos de José Sócrates, e que integrou a missão empresarial à Venezuela onde foi iniciada a venda de pernil, no âmbito do acordo entre o Estado português e a Venezuela — a Galp comprava petróleo à PDVSA, o dinheiro era colocado numa conta caucionada da CGD e servia para pagar as empresas portuguesas que vendiam os seus produtos às empresas venezuelanas, de modo a evitar atrasos nos pagamentos. Mário Lino, contactado pelo Correio da Manhã, garantiu nunca ter suspeitado “de nada”.

A Iguarivarius foi uma das empresas envolvidas no incidente do pernil de porco em 2017. Nesse ano, Nicolás Maduro reclamou que as milhares de toneladas de pernil de porco importado de Portugal não chegaram antes do Natal, como era suposto, tendo acusado Portugal de “sabotagem”. Nessa altura, as empresas portuguesas exportadoras de pernil, entre as quais a Iguarivarius, tinham créditos de cerca de 40 milhões junto do Estado venezuelano.

O pernil de porco assado é uma das iguarias apreciadas pelos venezuelanos na época natalícia. No regime de Nicolás Maduro, cada família venezuelana tem direito a cinco quilos de carne por ocasião desta quadra, apesar da grave crise política, social e financeira a que o país tem estado sujeito.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Patrão de Mário Lino detido após negócios suspeitos de venda de pernil à Venezuela

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião