Banco de Portugal assume supervisão comportamental mundial. “É o reconhecimento do bom trabalho”, diz Máximo dos Santos

Lúcia Leitão foi nomeada presidente da FinCoNet, que reúne as autoridades de supervisão comportamental de todo o mundo. Máximo dos Santos diz que "é o reconhecimento do bom trabalho" do BdP.

O Banco de Portugal (BdP) viu ser reforçado o seu papel na supervisão comportamental a nível mundial. A diretora do Departamento de Supervisão Comportamental do banco central português, Lúcia Leitão, foi eleita presidente da Organização Internacional para Proteção do Consumidor Financeiro (FinCoNet). Máximo dos Santos, vice-governador do BdP, em declarações ao ECO destaca o “relevo próprio” do cargo e classifica a nomeação como sendo “o reconhecimento internacional da grande qualidade do trabalho” desempenhado pelo banco central português nesse campo.

A eleição para um mandato de três anos de Lúcia Leitão para a presidência da FinCoNet, entidade que reúne autoridades de supervisão responsáveis pela conduta na comercialização de produtos e serviços bancários de países dos cinco continentes, foi aprovada por unanimidade pelos 27 membros da organização na última assembleia geral da organização que decorreu a 13 e 14 de novembro, na sede do Banco de Itália, em Roma.

De salientar que Lúcia Leitão já desempenhava funções como vice-presidente da FinCoNet há três anos, com Máximo dos Santos a classificar a sua subida à presidência como “o reconhecimento do bom trabalho desenvolvido na vice-presidência e ao longo de toda a vida da organização, a cujo Governing Council pertencemos desde a fundação em 2013″.

O vice-governador diz ainda que essa eleição “revela confiança na capacidade do Banco de Portugal, enquanto autoridade de supervisão comportamental bancária, para impulsionar ainda mais o trabalho da organização”, salientando que “se trata de um acontecimento muito positivo para Portugal e para o sistema financeiro português”.

A candidatura da Diretora do Departamento de Supervisão à FinCoNet terá contado, desde a primeira hora, com o apoio da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), um dos seis membros observadores desta entidade, grupo que integra ainda o Banco Mundial, a Comissão Europeia, a Consumers International, a International Association of Insurance Supervisors e o Consultative Group to Assist the Poor.

Para a escolha unânime de Lúcia Leitão para o cargo, Máximo dos Santos considera que terá sido fundamental, “o facto de o Banco de Portugal ter assumido uma estratégia integrada de supervisão comportamental”. E neste sentido destaca três vetores de atuação: a definição de um quadro de direitos para os clientes, a fiscalização do seu cumprimento pelas instituições e a promoção da formação e da inclusão financeiras.

 

Lúcia Leitão também manifestou a sua satisfação com a nomeação para a presidir à FinCoNet, dizendo ser “um enorme privilégio ter sido eleita para liderar esta organização”, que é “uma plataforma de partilha de informação, experiências e melhores práticas, que permite melhorar os padrões de supervisão comportamental a nível mundial”.

A diretora do Departamento de Supervisão Comportamental do Banco de Portugal lembrou ainda que “a proteção dos consumidores de produtos financeiros não é uma missão fácil, uma vez que o mundo à nossa volta está em permanente mudança e os supervisores necessitam de superar os desafios colocados por essas alterações permanentes”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal assume supervisão comportamental mundial. “É o reconhecimento do bom trabalho”, diz Máximo dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião