Deutsche Bank, Bankinter e CTT. Estes são os bancos mais reclamados pelos portugueses

As três instituições receberam o maior rácio de reclamações de clientes nas contas de depósitos, crédito ao consumo e crédito à habitação, na primeira metade do ano.

O número de reclamações de clientes insatisfeitos com o serviço prestado pelos bancos aumentou na primeira metade do ano. E há três instituições que estão no topo das queixas: o Deutsche Bank, o Bankinter e Banco CTT. São as entidades mais reclamadas nas contas bancárias, no crédito ao consumo e nos empréstimos para a compra de casa, respetivamente.

Os dados constam da sinopse do Relatório de Supervisão Comportamental do Banco de Portugal, divulgada nesta quarta-feira. De acordo com o documento, ao longo do primeiro semestre deste ano, o regulador recebeu 8.022 reclamações de clientes bancários, 5,2% acima da média mensal de 2018.

À semelhança de anos anteriores, as contas bancárias foram o principal alvo das queixas. E neste campo o Deutsche Bank foi a entidade mais reclamada. Na primeira metade do ano, a sucursal portuguesa do banco alemão recebeu 0,33 queixas por cada mil contas bancárias. Este valor é mais do dobro da média do sistema financeiro nacional: 0,14.

O banco ultrapassou o Banco CTT que no ano passado tinha apresentado o mais elevado rácio de queixas. Ainda assim, o banco liderado por Luís Pereira Coutinho foi a segunda instituição financeira mais reclamada nas contas bancárias, a par do AtivoBank, ambas com um rácio de 0,26 queixas por cada mil contas.

Já no crédito ao consumo, o Bankinter deu um salto de nove posições face à que ocupava no ano passado para passar a ser a entidade financeira mais reclamada nos primeiros seis meses do ano. O banco espanhol recebeu 1,81 queixas por cada mil contratos de crédito ao consumo, valor que compara com a média do setor que foi de 0,18.

Seguiu-se o Caixa Leasing e Factoring, com uma proporção de 1,56 queixas por cada mil contratos, descendo assim do primeiro posto que ocupou no ano passado. A fechar o pódio está o Eurobic, com um total de 1,41 queixas por cada mil contratos de crédito ao consumo.

Nos empréstimos para a compra de casa, que até registou uma redução no número de queixas na primeira metade do ano, o Banco CTT continua a ser a instituição com o rácio de reclamações mais elevado. A instituição financeira recebeu 2,82 reclamações por cada mil contratos de crédito à habitação. Este valor compara com uma média de 0,46 no sistema financeiro.

A instituição liderada por Luís Pereira Coutinho está à frente do Deutsche Bank e do Bankinter que fecham o pódio com 0,99 e 0,65 queixas, respetivamente, por cada mil contratos de crédito para a aquisição de habitação. Já o Santander Totta que em 2018 foi a segunda instituição mais reclamada neste segmento baixou para a quarta posição, ficando à frente da UCI.

É importante salientar que o Banco de Portugal utiliza para elaborar o ranking das instituições financeiras com mais reclamações o rácio por cada mil contas, algo que joga em desfavor das instituições mais recentes e com carteiras de clientes mais pequenas para os diferentes produtos bancários.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deutsche Bank, Bankinter e CTT. Estes são os bancos mais reclamados pelos portugueses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião