União Bancária: “Não podemos criar uma crise na tentativa de prevenir uma crise futura”, alerta Centeno

  • ECO
  • 3 Dezembro 2019

A União Bancária está "ao alcance" da Zona Euro, segundo Mário Centeno, que garante que a implementação será "gradual" para evitar choques nos mercados financeiros.

O ministro das Finanças português e presidente do Eurogrupo acredita que a União Bancária está prestes a tornar-se uma realidade na Zona Euro. A Alemanha pediu contrapartidas relacionadas com os níveis de crédito malparado e a exposição dos bancos à dívida pública do próprio país e Mário Centeno sublinha que a adoção será gradual para que não se comentam erros, em entrevista ao Público (acesso condicionado).

“O erro que muitos cometeram até há pouco tempo foi olhar para o EDIS [fundo europeu de garantia de depósitos] e para cada uma destas peças em isolamento”, afirmou Centeno, ao jornal, antes da reunião do Eurogrupo que se realiza esta quarta-feira. “O que está em cima da mesa é um leque amplo de iniciativas que terão de ser levadas a cabo de forma gradual, sem provocar qualquer sobressalto nos mercados financeiros. Não podemos criar uma crise na tentativa de prevenir uma crise futura”.

Segundo o ministro das Finanças, estas “peças” incluem um reforço dos instrumentos para lidar com bancos em dificuldades, harmonizando regras de supervisão e resolução bancárias, mas também medidas para incentivar a diversificação de carteiras de títulos soberanos e reduzir a fragmentação ou a proteção de depósitos.

“A proposta alemã, na linha do que vem sendo discutido a nível dos secretários de Estado da UE, propõe a introdução de um fator concentração nos títulos soberanos. Esta medida tem que ser vista em associação com outras. Para mim, é crucial que não percamos de vista o nosso propósito e justificação. Não se trata de impedir os Estados de se financiarem junto dos bancos, especialmente em tempos de crise, mas de garantir que os bancos investem em títulos de diferentes países“, acrescentou Centeno, ao Público.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

União Bancária: “Não podemos criar uma crise na tentativa de prevenir uma crise futura”, alerta Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião