Análise de custo benefício deixa de ser obrigatória nas PPP. Critérios vão ser definidos caso a caso

O novo regime de PPP diz que os pressupostos para lançar e atribuir uma parceria são definidos caso a caso pelo Conselho de Ministros. Governo deixou cair guião de 16 exigências para lançar PPP.

O Governo deixou cair uma lista detalhada de 16 exigências que a lei das Parcerias Público-Privadas (PPP) tinha como guião para o lançamento e adjudicação de PPP passando a definir que, nas próximas parcerias, os pressupostos são fixados separadamente para cada parceria. Isto significa que o Conselho de Ministros fará uma análise, caso a caso, sobre as exigências para cada PPP. Análise custo-benefício é um dos critérios que desaparece.

Esta mudança consta do decreto-lei publicado esta quarta-feira em Diário da República, que muda as regras das PPP. O decreto-lei foi uma iniciativa do ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, que foi aprovado pelo Conselho de Ministros a 21 de novembro e promulgado pelo Presidente da República esta segunda-feira.

O diploma mexe nas regras das PPP, dando ao Conselho de Ministros mais poder na hora de decidir uma parceria deste tipo com o setor privado. Tal como o ECO noticiou, a responsabilidade de decidir a contratação de uma PPP ganha um pendor mais político, já que até agora essa era uma tarefa que cabia ao ministro das Finanças, juntamente com o ministro da tutela do projeto em causa.

Mas a publicação do diploma no Diário Da república permite perceber que além das mudanças na esfera de decisão, o Governo também aligeirou as regras relativamente aos pressupostos a observar no momento do lançamento e da adjudicação da PPP.

No n.º1 do artigo 6.º pode ler-se que “os pressupostos do lançamento e da adjudicação do contrato de parceria são definidos relativamente a cada parceria, por resolução do Conselho de Ministros”.

Mas a lei até agora em vigor tinha outras regras. Para lançar e adjudicar uma PPP era preciso seguir uma espécie de guião. A lei previa uma lista de 16 pressupostos a cumprir para o efeito e que era igual para todas as PPP.

Entre essas 16 exigências estavam, por exemplo, “o estudo dos impactes orçamentais previsíveis, em termos de receita e de despesa, e sua comportabilidade, bem como as respetivas análises de sensibilidade, quer em termos de procura, quer de evolução macroeconómica”.

“A clara enunciação dos objetivos da parceria para o setor público, especificando os resultados pretendidos e as vantagens daí decorrentes, numa perspetiva de análise custo-benefício” é outro dos exemplos dos pressupostos que eram exigidos na lei atual.

Serve agora de referência para o lançamento e adjudicação das PPP que os estudos económico-financeiros, os critérios de avaliação das propostas a apresentar pelos concorrentes utilizam os parâmetros macroeconómicos relevantes a definir na resolução do Conselho de Ministros a qual determina também a taxa de desconto a adotar, para efeitos de atualizações financeiras. Esta exigência já existia na lei atual mas com responsabilidade atribuída ao ministro das Finanças.

O ECO enviou questões para o Ministério da Economia sobre as novas regras das PPP, mas não obteve resposta até à publicação deste artigo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Análise de custo benefício deixa de ser obrigatória nas PPP. Critérios vão ser definidos caso a caso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião