Manuel de Lemos reconduzido na liderança da União das Misericórdias

  • Lusa
  • 6 Dezembro 2019

Além de Manuel de Lemos, Silva Peneda, mantém-se na presidência da Mesa da Assembleia Geral, bem como, Francisco Araújo, à frente do Conselho Nacional. Entra António Tavares para o Conselho Fiscal.

O presidente do Secretariado Nacional da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), Manuel de Lemos, vai ser reconduzido no cargo no sábado, em eleições a realizar em Fátima e às quais apenas se apresenta uma lista candidata.

Silva Peneda, na presidência da Mesa da Assembleia Geral, e Francisco Araújo, à frente do Conselho Nacional, são outros dois nomes que se mantêm, apenas se registando uma mudança na presidência do Conselho Fiscal, entrando António Tavares para o lugar até agora ocupado por Licínio Pina.

Esta candidatura de Manuel de Lemos acontece depois de, em outubro, os secretariados regionais das Misericórdias Portuguesas se terem mobilizado para que o atual presidente da UMP cumprisse um novo mandato de quatro anos no cargo.

“Se às Santa Casas de Misericórdia cabe o cumprimento das 14 obras de Misericórdia, à União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e, em particular ao Secretariado Nacional, cabe o papel de as representar, defender e consolidar o que foi alcançado ao longo dos tempos. Na UMP, para os sucessos obtidos, temos contado com a liderança, assente na determinação, experiência e espírito de missão do seu presidente”, escreveram os líderes dos secretariados regionais num manifesto de apoio a Manuel de Lemos.

Os secretariados regionais consideraram, também, que o empenho do atual presidente do Secretariado Nacional “é imprescindível ao movimento das Misericórdias e ao reforço do contributo da economia social para o desenvolvimento do país”, sublinhando que Manuel de Lemos foi recentemente reeleito Presidente Mundial das Misericórdias – Confederação Internacional das Misericórdias.

Segundo o “Voz das Misericórdias”, órgão oficial da UMP, o manifesto sublinhava serem muitos “os desafios que importa ultrapassar [pela UMP], seja na consolidação das relações com o Estado, seja resolvendo os desafios de sustentabilidade” das Santas Casas.

No seu programa eleitoral, Manuel de Lemos assegurou que a principal preocupação da UMP vai continuar a ser a “sustentabilidade das misericórdias, em termos de comparticipações justas para as diversas respostas sociais disponibilizadas à população”.

Segundo uma nota de Manuel de Lemos citada pela agência Ecclesia, embora tenha havido este ano “uma atualização de 3,5% nas comparticipações, a mesma não assegura a sustentabilidade das misericórdias, que se debatem ainda com problemas para garantir de forma equilibrada e sustentada a sua missão junto da população, bem como para criar condições que permitam a melhoria das condições de trabalho e a formação contínua dos seus colaboradores”.

A cooperação do setor social com entidades públicas e privadas, de ensino e investigação deve “continuar a ser fomentada, a par da sensibilização do Governo para a urgência da adoção de medidas públicas e respostas sociais que alterem o paradigma de apoio e intervenção social e que mudem de forma eficiente as políticas públicas para o envelhecimento, segurança social e saúde”, defende Manuel Lemos na mesma nota.

Manuel de Lemos é presidente do Secretariado Nacional da UMP desde janeiro de 2007 e os seus mandatos estão marcados pela criação da Unidade de Cuidados Continuados Bento XVI (Fátima) e Centro Luís da Silva (Borba), pela assinatura do decreto interpretativo com a Conferência Episcopal, pela participação das Misericórdias na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados e pela devolução de hospitais às Misericórdias.

Em Portugal existem 388 Misericórdias ativas, que apoiam diariamente cerca de 165 mil pessoas em todo o país.

As eleições para os órgãos sociais da UMP realizam-se a partir das 09:00 de sábado no Centro de Apoio a Deficientes João Paulo II, em Fátima.

A tomada de posse está marcada para as 14h30, no mesmo local, em cerimónia para a qual é esperada a presença da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Manuel de Lemos reconduzido na liderança da União das Misericórdias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião