Tomás Correia propõe Paulo Pedroso para não executivo do Montepio

  • ECO
  • 6 Dezembro 2019

Ex-ministro poderá juntar-se aos 16 administradores, executivos e não executivos, do banco. Pedro Leitão está prestes a ter "luz verde" no banco, mas Luís Almeida está em risco na Mutualista.

O presidente demissionário do Banco Montepio, Tomás Correia, propôs o nome do ex-ministro socialista Paulo Pedroso para administrador não executivo do banco, segundo noticia esta sexta-feira o Público (acesso condicionado). A proposta foi feita esta quinta-feira na assembleia-geral extraordinária, onde Correia representava o maior acionista do Montepio, a Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG).

Esta deverá ter sido a última AG de Tomás Correia, que abandona o banco a 15 de dezembro, e aproveitou-a para propor Pedroso. O socialista poderá juntar-se aos atuais 16 administradores, executivos e não executivos, incluindo os novos três novos aprovados durante a AG. Ficariam por preencher duas vagas no Conselho de Administração.

A reunião foi convocada para aprovar Pedro Leitão como próximo CEO do banco. O gestor está atualmente a ser avaliado pelo Banco de Portugal, que terá ainda de confirmar a idoneidade, mas o Público noticia que nas conversas de bastidores entre o banco e o supervisor, nas últimas semanas, poderá já ter sido dada “luz verde” verbalmente e condicionada à leitura da documentação entregue.

A confirmação de Pedro Leitão põe fim ao período conturbado na liderança do banco. No entanto, poderá estar prestes a abrir-se outro, desta vez na AMMG. O Público apurou ainda que o Banco de Portugal ainda não fechou o processo de investigação a Luís Almeida, um dos quatro administradores da Associação Mutualista que foram aprovados pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) em novembro.

Em causa estão decisões tomadas enquanto desempenhava funções de gestor executivo do Banco Montepio. Caso a investigação do Banco de Portugal seja desfavorável à idoneidade de Luís Almeida, será dado conhecimento à ASF, que poderá decidir afastar o gestor. Caso Luís Almeida não possa continuar na mutualista, restarão apenas três administradores, abrindo a porta a novas eleições.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tomás Correia propõe Paulo Pedroso para não executivo do Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião