Com Tomás Correia de fora, ASF dá luz verde aos dirigentes da Mutualista Montepio

Regulador acabou de oficializar o registo dos órgãos sociais da Associação Mutualista Montepio, oito meses depois de ter iniciado o processo de avaliação dos dirigentes eleitos em dezembro.

O regulador dos seguros acabou de oficializar o registo dos órgãos sociais da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) para o mandato 2019-2021. O presidente Tomás Correia ficou de fora deste processo iniciado pela Autoridade dos Seguros e Fundos de Pensões (ASF) há oito meses, isto depois de ter anunciado que vai abandonar a liderança da instituição no próximo mês.

A decisão de conceder o registo aos órgãos sociais da maior mutualista do país foi tomada no passado dia 20 de novembro e tornada pública esta terça-feira no site do regulador liderado por Margarida Corrêa de Aguiar.

Era um processo que se arrastava há meses. Foi em março que a ASF deu início ao processo, depois de o Governo ter forçado o regulador dos seguros a abrir um processo de registo aos dirigentes da AMMG que tinham sido eleitos em dezembro passado. Oito meses depois, este dossiê conhece finalmente um desfecho.

Com Tomás Correia de fora — o próprio retirou-se deste processo depois de saber que não iria obter uma aprovação da ASF –, foram concedidos os registos aos administradores Virgílio Lima, Carlos Beato, Idália Serrão e Luís Almeida. Virgílio Lima, é sabido, vai substituir Tomás Correia na presidência do conselho de administração a partir do próximo dia 15 de dezembro.

Simultaneamente, também foram concedidos os registos dos membros do conselho geral, do conselho fiscal e da mesa da assembleia geral da AMMG, entre eles Vítor Melícias (presidente da mesa da assembleia geral), Ivo Pinho (presidente do conselho fiscal) e Maria de Belém e João Costa Pinto (ambos membros do conselho geral), entre outros.

(Notícia atualizada às 18h09 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com Tomás Correia de fora, ASF dá luz verde aos dirigentes da Mutualista Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião