A UE apostou nestes filmes. Acabaram por vencer 15 prémios

Entre os filmes financiados pela União Europeia que arrebataram galardões nos prémios europeus inclui-se "A Favorita", que venceu oito prémios.

Foram várias as estrelas que brilharam em Berlim neste sábado, nos Prémios do Cinema Europeu, mas sete delas tinham algo em comum. Foram fruto de uma aposta da União Europeia (UE), que ajudou a financiar os projetos com o programa de apoio aos media. Foi o caso do vencedor da noite, “A Favorita”, que recebeu oito prémios.

Para além da longa-metragem de Yorgos Lanthimos sobre a disputa para ser a favorita da rainha Ana, de Inglaterra, que foi distinguido com o galardão de melhor filme europeu, melhor realizador e melhor atriz, filmes como “The portrait of a lady on fire”, “Os miseráveis” e “Babylon Berlin” também fizeram parte da lista de vencedores.

No total, os filmes financiados pela UE receberam 15 prémios no European Film Awards 2019. No grupo inclui-se ainda “Buñuel no Labirinto das Tartarugas”, que foi considerado o melhor filme de animação, “Guerra Fria”, que recebeu o prémio do público, e o “Dor e Glória”, que deu ao espanhol Antonio Banderas o prémio de melhor ator. O programa Media tem uma dotação de 1,46 mil milhões de euros para o período de 2014-2020, o que representou um aumento de 9% face ao quadro financeiro anterior.

“Isto reforça a nossa crença de que um setor audiovisual forte, que podemos alcançar através do programa MEDIA da Creative Europe, contribui para o nosso objetivo de fortalecer a cultura e a diversidade europeias, bem como os valores comuns de liberdade de media e pluralismo”, aponta o Comissário para o Mercado Interno, Thierry Breton, citado em comunicado. O programa da UE financia o desenvolvimento, promoção e distribuição de obras europeias na Europa e no exterior.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A UE apostou nestes filmes. Acabaram por vencer 15 prémios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião