Polícia Judiciária tem 834 processos pendentes por corrupção

  • ECO
  • 9 Dezembro 2019

Os processos por crimes de corrupção não param de aumentar. Em 2018, a PJ tinha 834 processos pendentes por corrupção, mais do dobro do que há quatro anos. É o número mais alto da década.

A Polícia Judiciária (PJ) tem mais de 800 processos pendentes por corrupção. Estes números não param de aumentar e representam um recorde dos últimos dez anos. Ainda assim, apesar do aumento do número de investigações existem menos casos a transitarem em julgado nos tribunais portugueses.

De acordo com os números da Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ) do Ministério da Justiça, consultados pela TSF (acesso livre), em 2018 chegaram 834 processos por corrupção à PJ e aos tribunais, sendo que estes números representam mais do dobro dos processos registados há quatro anos (362).

No que toca às queixas que chegam à Procuradoria-Geral da República, entre novembro de 2017 e outubro de 2018, registaram-se 2.578 denúncias por corrupção, mas apenas 292 avançaram para a abertura de inquéritos.

Por outro lado, existem menos processos por crimes de corrupção que transitaram em julgado nos tribunais de primeira instância. No ano passado, houve 28 casos nessa situação, o número mais baixo dos últimos dez anos e metade do que se registava no início da década.

Há ainda menos condenações por este tipo de crimes. Segundo a TSF, no final do ano passado, 20 pessoas foram condenadas por crimes de corrupção, menos sete pessoas que em 2017, mas mais 15 do que quando comparado com 2016, por exemplo.

Recorde-se que esta segunda-feira vários jornais avançaram que o Ministério da Justiça quer avançar com várias medidas para definir uma “estratégia nacional” de combate à corrupção. Na lista destacam-se a separação de megaprocessos, a escolha de juízos especializados em corrupção, mas também a colaboração premiada. Esta última, apesar de já constar na lei, requer alterações para ser mais fácil de aplicar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Polícia Judiciária tem 834 processos pendentes por corrupção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião