Com excedente em 2020, Marcelo pede “mais investimentos”. Vê “oportunidade única” para reduzir dívida pública

O Presidente da República considerou esta quarta-feira que a "melhor" situação orçamental do país é uma "oportunidade única" para reduzir a dívida perante o exterior.

O Presidente da República considera que o excedente orçamental de 0,2% previsto pelo Governo para o final de 2020 é uma “oportunidade única” para reduzir a dívida pública ao exterior. Em declarações a partir do Porto e transmitidas pela RTP 3, Marcelo Rebelo de Sousa mostrou ainda esperança de que isso signifique mais investimento público nas áreas críticas.

“Há expectativas de que, este ano, precisamente porque a situação do Orçamento é melhor, haja, e nos próximos anos, mais investimento na saúde, mais investimento nas infraestruturas, mais investimentos, inclusive, também, em matéria de segurança”, apontou o chefe de Estado.

De seguida, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu esperar “que, em geral, o investimento público, que sofreu, porque sofreu durante muitos anos, seja compensado ao menos numa parte no próximo ano, e nos anos seguintes, se a economia mundial e europeia o permitirem”.

Esta terça-feira foi revelado que o Governo está a preparar um Orçamento do Estado para 2020 no qual prevê um crescimento de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) e um excedente orçamental de 0,2% no final do exercício, assim como uma taxa de desemprego em 6,1%.

Questionado acerca das exigências da cultura, que pedem que 1% do orçamento seja dedicado ao setor, o Presidente da República mostrou-se expectante.

“Não queria antecipar-me àquilo que vou ouvir de partidos e de parceiros económicos e sociais [na próxima semana]. Mas tenho acompanhado com atenção a preocupação da cultura, e aquilo que significa essa preocupação. Vamos ver qual é o acolhimento que têm no Orçamento apresentado segunda-feira”, indicou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com excedente em 2020, Marcelo pede “mais investimentos”. Vê “oportunidade única” para reduzir dívida pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião