Lagarde, a coruja com estilo próprio que não vai deixar nenhuma pedra por virar no BCE

A revisão estratégica do banco central vai começar em janeiro e ficar fechada até ao final do ano. Na primeira reunião como presidente do BCE, Lagarde quis mostrar que traz ventos de mudança.

Christine Lagarde estreou-se na presidência do Banco Central Europeu (BCE) sem qualquer referência ao antecessor Mario Draghi, mas com um pedido e uma garantia: pede que não se façam comparações e promete que não se vai focar no passado. A francesa, que garante que terá o seu próprio estilo, chegou com uma revisão estratégica debaixo de olho. “Vão ser levantadas cada e qualquer pedra” no banco central.

A expectativa era grande. Esta quinta-feira foi a primeira vez em oito anos que a conferência de imprensa, em que são explicadas as decisões tomadas na reunião de política monetária do BCE, não foi liderada pelo italiano. As atenções estavam viradas para a francesa, tentando-se perceber diferenças entre os dois.

O statement introdutório (acordado dentro do Conselho de Governadores) trouxe muito poucas mudanças face ao que Draghi costumava dizer. E Lagarde sabia o escrutínio a que estava sujeita. “Vou ter o meu próprio estilo. Não interpretem demasiado. Não façam segundas interpretações. Eu vou ser eu própria e, por isso, provavelmente diferente“, disse, nas primeiras palavras após o discurso lido.

"Vou ter o meu próprio estilo. Não interpretem demasiado. Não façam segundas interpretações. Eu vou ser eu própria e, por isso, provavelmente diferente.”

Christine Lagarde

Presidente do BCE

O seu estilo começou esta quinta-feira a definir-se e deixou já claro que não parece interessada em jogar o jogo das pistas nas entrelinhas. Além deste comentário, rejeitou (tal como já tinha feito numa entrevista ao alemão Die Zeit) a classificação clássica dos banqueiros centrais.

De uma vez por todas, não sou nem uma pomba nem um falcão. A minha ambição é ser uma coruja que é normalmente associada à sabedoria”, referiu quando considerou que uma das perguntas — sobre os conflitos internos no Conselho de Governadores — tinha como objetivo perceber o seu posicionamento.

“Não estou cheia de vaidade, mas vou certamente tentar trazer ao de cima o melhor dos membros do meu Conselho de Governadores com vista a alcançarmos decisões de política monetária e usarmos os instrumentos da forma mais consensual possível”, acrescentou.

Não queria falar da revisão, mas foi o grande tema

Se a primeira nota de Lagarde foi sobre as potenciais interpretações das suas palavras, a segunda foi sobre a revisão estratégica que está a ser preparada dentro do BCE. “Sei que estão à espera de pormenores, mas não vou dar, e de propósito, que assim seja”, afirmou.

No entanto, este foi um dos grandes temas falados e já foram conhecidos vários pormenores, a começar pelo timing: vai começar em janeiro e pretende estar fechada antes do final do ano. “Tem de ser exaustiva, olhar para todo e qualquer assunto e virar toda e qualquer pedra. Por isso, irá demorar tempo, mas não demasiado tempo. O nosso objetivo é que esteja fechada antes do final de 2020“.

Lagarde lembrou que esta será a primeira revisão do género desde 2003 (ou seja, ainda antes da crise financeira que levou o BCE a implementar nunca antes vistas na Zona Euro). “Após 16 anos da mesma estratégia, penso que já é tempo”, disse, sublinhando que “com a chegada ao novo emprego” considera que a reflexão é “apropriada”.

"Tem de ser exaustiva, olhar para todo e qualquer assunto e virar toda e qualquer pedra. Por isso, irá demorar tempo, mas não demasiado tempo. O nosso objetivo é que esteja fechada antes do final de 2020.”

Christine Lagarde

Presidente do BCE

A expectativa é que este exercício resulte numa redefinição da meta de inflação, um tema que é, há anos, alvo de críticas e que o próprio Draghi já tinha abordado. Lagarde sinalizou que será assim, mas explicou que a revisão será abrangente e irá incluir vários intervenientes, incluindo o Parlamento Europeu, académicos ou membros da sociedade civil.

“Todos os bancos centrais que estão a conduzir este exercício de revisão estratégica estão a olhar para as suas metas, em particular como é definido o objetivo de médio prazo e como é conseguida a estabilidade de preços dos mandatos”, disse. O BCE tem um mandato única de inflação próxima, mas abaixo de 2% pelo que “esse assunto será efetivamente central para a revisão estratégica”.

Tecnologia, alterações climáticas e desigualdade são alguns dos temas que Lagarde quer ver incluídos na revisão. Quanto a instrumentos, haverá de certeza uma avaliação aos juros negativos e à compra de ativos, mas não é tão certo que se explorem novas opções. “É completamente legítimo que se avaliem os efeitos dos instrumentos usados no passado. Quanto ao futuro, penso que será o Conselho de Governadores a decidir”, acrescentou.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Lagarde, a coruja com estilo próprio que não vai deixar nenhuma pedra por virar no BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião