Lagarde promete “mente aberta” na estratégia do BCE

Na primeira audição no Parlamento Europeu enquanto presidente do BCE, Christine Lagarde prometeu que o banco central será "resoluto" em restaurar a estabilidade na Zona Euro durante a sua presidência.

Pouco mais de uma semana antes de conduzir a primeira reunião do conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde deixa uma certeza. A revisão da estratégia do BCE será orientada com base em dois princípios: “análise minuciosa e mente aberta”.

A garantia foi deixada por Lagarde na primeira audição no Parlamento Europeu enquanto presidente do BCE. No discurso de abertura da sessão, a antiga diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), disse que o BCE será “resoluto” em restaurar a estabilidade da Zona Euro durante a sua presidência.

“A postura de política acomodatícia do BCE tem sido um dos principais impulsionadores da procura doméstica durante a recuperação, e essa postura mantém-se em vigor“, assegurou em declarações citadas pela Bloomberg.

Esclareceu ainda que “é prematuro entrar em debates acerca da dimensão precisa, direção ou linha temporal para a nossa revisão, já que o assunto ainda não foi discutido minuciosamente pelo Conselho de Governadores”, afirmou Lagarde. “O que posso confirmar, no entanto, é que a revisão de estratégia será guiada por dois princípios: análise minuciosa e mente aberta“.

Durante o discurso, a líder da entidade responsável pela política monetária da Zona Euro reconheceu os efeitos colaterais da política ultra-acomodatícia — taxas de juro negativas, quantitative easing e empréstimos de longo prazo aos bancos — e afirmou que a revisão irá tentar adquirir uma melhor compreensão sobre como as tendências de longo prazo afetam aquilo que o banco central consegue controlar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde promete “mente aberta” na estratégia do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião