Bank of China em Portugal quer trabalhar “com bancos locais”

  • Lusa
  • 2 Dezembro 2019

"Queremos mesmo aprofundar a cooperação com os clientes locais em conjunto com os bancos locais", disse o presidente da sucursal do Bank of China em Portugal, Qi Xiao.

O presidente da sucursal do Bank of China em Portugal, Qi Xiao, disse esta segunda-feira à Lusa que os objetivos do banco passam por “cooperar com os bancos locais”, à margem de um seminário organizado pela instituição, em Lisboa.

“Queremos mesmo aprofundar a cooperação com os clientes locais em conjunto com os bancos locais, quero mencionar especialmente isso, porque não desencorajamos os clientes locais a cooperar com empresas chinesas“, disse Qi Xiao, à margem do Seminário de Comunicação e Cooperação Financeira Internacional, organizado pelo Bank of China, no âmbito da iniciativa chinesa “Uma Faixa, Uma Rota”.

Para 2020, o objetivo do Bank of China é “trabalhar para a internacionalização do renmimbi [moeda chinesa], para os ‘panda bonds‘ [emissão de dívida em moeda chinesa], e também em alguns projetos em mercados terceiros”. O presidente da sucursal do Bank of China em Portugal afirmou ainda querer ser “um parceiro muito, muito próximo” dos bancos locais.

Neste momento, o maior parceiro é a Caixa Geral de Depósitos (CGD). “Durante a visita de Estado feita pelo presidente chinês Xi [Jinping] em dezembro de 2018, acordámos um memorando com a CGD, acerca da cooperação no negócio dos renmimbi [moeda chinesa], e para desenvolver mercados terceiros, especialmente os países africanos de língua portuguesa”, explanou Qi.

Segundo o presidente do banco chinês, os seus atuais clientes estão no setor da energia (EDP e REN), no setor da água, nas infraestruturas, e na construção de autocarros, bem como em algum imobiliário. No entanto, e questionado sobre se o Bank of China tem uma atividade significativa no setor dos vistos gold, em que muitos cidadãos chineses têm investido, Qi Xiao referiu que o montante em causa é “muito, muito pequeno” na instituição.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bank of China em Portugal quer trabalhar “com bancos locais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião