Trump anuncia novas tarifas aduaneiras. Wall Street na linha de água

Os mercados norte-americanos estão presos na linha de água, apesar dos dados positivos da indústria chinesa. Decisão de Trump impor novas tarifas aduaneiras mantém investidores em suspenso.

Os dados positivos da indústria chinesa estão a mitigar os receios de abrandamento da economia mundial e a animar os mercados, esta segunda-feira. Ainda assim, Wall Street regista ganhos, embora modestos, face à decisão de Donald Trump de restaurar as tarifas sobre os produtos metálicos importados do Brasil e da Argentina.

O índice de referência, o S&P 500, está a valorizar 0,09% para 3.143,81 pontos. A mesma tendência está a ser seguida pelo tecnológico Nasdaq — que sobe 0,06% para 8.670,98 pontos — e pelo industrial Dow Jones, que avança 0,17% para 28.099,66 pontos.

De acordo com os dados divulgados esta segunda-feira, a atividade industrial chinesa cresceu ao ritmo mais intenso dos últimos três anos, animando os investidores e mitigando os receios de que a prolongada guerra comercial entre Washington e Pequim pese sobre a economia mundial.

De notar que, na semana passada, os sinais de que um acordo entre as duas potências estaria para breve deram ânimo aos mercados, mas na sexta-feira as tensões voltaram a subir e pressionaram os investidores. Isto porque os Estados Unidos aprovaram um diploma que apoia os protestantes de Hong Kong, o que levou a China a ameaçar retaliações.

Apesar destes confrontos comerciais, a economia norte-americana parece estar a resistir, com a Reserva Federal a garantir agora que só voltará a baixar as taxas de juro se os sinais económicos se deteriorarem.

A contrariar o sentimento positivo está a decisão de Donald Trump de taxar os produtos metálicos importados do Brasil e da Argentina. Essa escolha está mesmo a preocupar os investidores, diminuindo o impacto positivo dos dados chineses referidos.

E depois dos dias descontos da Black Friday e da Cyber Monday terem levado o retalho a máximos de vendas, a Walmart vê os seus títulos avançarem 0,13% para 119,25 dólares esta segunda-feira. As ações da Target também valorizam: sobem 0,33% para 125,42 dólares.

Em sentido inverso e apesar dos sucesso de vendas, a Amazon está a ver os seus títulos recuarem 0,36% para 1.794,29 dólares.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump anuncia novas tarifas aduaneiras. Wall Street na linha de água

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião