Lucros da Associação Mutualista Montepio sobem 25% para dois milhões em 2019

A Associação Mutualista Montepio deverá fechar o ano com lucros de 2,05 milhões de euros, acima dos 1,63 milhões de 2018. Destaca melhoria das receitas associativas e dos resultados financeiros.

A Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) vai fechar o ano com lucros ligeiramente superiores a dois milhões de euros, uma melhoria de 25% face ao resultado alcançado em 2018. Em causa estão números sobre as contas individuais que constam do Programa de Ação e Orçamento 2020 da AMMG, documento que será votado na assembleia geral que se realiza a 30 de dezembro.

“Estima-se que os resultados recorrentes da atividade mutualista, isto é, sem considerar impactos de eventos exógenos, como sejam os provenientes dos testes de adequação das responsabilidades, em função do nível em que estiverem as taxas de mercado no final do ano, ou de valorizações ou desvalorizações de carteiras de imóveis ou de participações financeiras, sejam positivos no final de 2019, em torno de dois milhões de euros, ligeiramente acima dos resultados do ano anterior, que se situaram em 1,6 milhões de euros“, diz a mutualista liderada por Tomás Correia — deixa este fim de semana o cargo, dando lugar a Virgílio Lima.

Em concreto, a AMMG antecipa que irá fechar o ano com um lucro de 2,047 milhões de euros, 25,2% acima dos 1,634 milhões registados em 2018.

A contribuir para a melhoria de resultados, a Mutualista enumera diversos fatores. Por exemplo, os resultados financeiros, que a mutualista estima tenham ascendido a 26,5 milhões de euros este ano, “para o que contribuiu a melhoria do rendimento da carteira de títulos”.

Do lado dos custos, a AMMG destaca ainda melhorias, falando “em custos de atividade estimados em 28 milhões de euros, que representam uma redução face ao valor registado em 2018”.

Os outros resultados de exploração, que incorporam os resultados associados às propriedades de investimento (imóveis de rendimento que incluem residências sénior e de estudantes), também continuaram a contribuir positivamente para as contas da instituição. O montante estimado para 2019 é de 7,8 milhões de euros.

Também se regista um “melhoria das receitas associativas e, consequentemente, dos resultados inerentes a associados, por via da relação, mais favorável, entre a margem associativa e a variação das provisões técnicas”, que deverão atingir, ainda assim, um valor negativo de 14,1 milhões de euros, diz o documento, representando uma melhoria face aos -21,9 milhões de euros em 2018.

Em termos de receitas associativas, estas ascenderam a 658 milhões de euros, em 2019, acima dos 491,5 milhões alcançados no ano anterior. A melhoria dos resultados por essa via insere-se apesar de um contexto de perda de associados. Em setembro, a base de associados da AMMG ascendia a um total de perto de 604,7 mil, número que compara com os cerca de 612,6 mil que existiam no início do ano.

Neste campo, a mutualista reconhece que “as readmissões e entradas de novos associados, atingindo 19.260, não foram, contudo, suficientes para inverter o decréscimo da base associativa”, salientando contudo que, em termos homólogos, o fluxo líquido de associados seja, a partir de setembro, menos negativo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da Associação Mutualista Montepio sobem 25% para dois milhões em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião