Deduções ambientais no IRS vão ficar limitadas a mil euros

Proposta do Orçamento do Estado para 2020 será entregue esta segunda-feira pelo ministro das Finanças no Parlamento. Deverá incluir uma dedução para quem produzir energia para consumo próprio.

O Governo vai criar uma nova categoria de deduções fiscais em sede de IRS que beneficiem quem produz energia renovável para consumo próprio. No entanto, o montante ficará limitado a um máximo de mil euros, de acordo com a versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2020 a que o ECO teve acesso.

A proposta, que será entregue esta segunda-feira pelo ministro das Finanças Mário Centeno no Parlamento, deverá trazer uma medida que autoriza o Governo a criar deduções ambientais. Estas irão incidir sobre as aquisições de unidades de produção renovável para autoconsumo, bem como bombas de calor com classe energética A ou superior.

Poderá beneficiar desta dedução quem utilizar estes equipamentos para uso pessoal, para efeitos de, respetivamente, promoção e disseminação da produção descentralizada de energia a partir de fontes renováveis de energia e comunidades de energia e o fomento de equipamentos mais eficientes.

O objetivo da autorização legislativa é permitir a dedução à coleta do IRS de cada contribuinte, num montante correspondente a uma parte do valor suportado a título daquelas despesas e que constem de faturas que titulem aquisições de bens e serviços a entidades com a classificação das atividades económicas apropriada. O limite global máximo previsto é de mil euros.

O Executivo liderado por António Costa tinha já anunciado a intenção de beneficiar energias limpas, em detrimento de um aumento da fiscalidade sobre a poluição, como é o caso dos automóveis.

Não me comprometerei com um cêntimo que seja de benefício fiscal para diminuir a tributação sobre combustíveis fósseis quando o mundo tem de se mobilizar para um combate sem tréguas contra as alterações climáticas”, disse o primeiro-ministro há um mês no Parlamento.

A medida deverá entrar em vigor numa altura em que o Governo está a rever as deduções e isenções fiscais. No Programa de Estabilidade e Crescimento, o Executivo socialista apontava para um ganho anual de 90 milhões de euros ao longo de três anos até 2022 com esta revisão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deduções ambientais no IRS vão ficar limitadas a mil euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião