Imposto do selo no crédito ao consumo agravado em 10%. Taxa extra continua até final de 2020

O imposto do selo aplicado no crédito ao consumo vai aumentar 10%, de acordo com a versão preliminar do Orçamento do Estado. A taxa extraordinária de 50% vai manter-se até ao final de 2020.

O imposto do selo no crédito ao consumo vai aumentar 10% no próximo ano, de acordo com a versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2020, a que o ECO teve acesso. O agravamento extraordinário de 50% introduzido para desincentivar o recurso a este crédito vai manter-se até ao final do próximo ano.

Com as alterações à tabela geral do imposto do selo, no crédito de prazo inferior a um ano, por cada mês ou fração, o valor do imposto passa de 0,128% para 0,141%, enquanto se for de prazo igual ou superior a um ano passa de 1,6% para 1,76%, e de prazo igual ou superior a cinco anos passa de 1,6% para 1,76%.

Já no crédito utilizado sob a forma de conta corrente, descoberto bancário ou qualquer outra forma em que o prazo de utilização não seja determinado ou determinável, sobre a média mensal obtida através da soma dos saldos em dívida apurados diariamente, durante o mês, divididos por 30, passa de 0128% para 0,141%.

Adicionalmente a este aumento do imposto do selo nestes financiamentos, o Governo pretende prolongar uma medida extraordinária criada em 2016 para tentar travar a crescente apetência das famílias por este tipo de crédito.

Assim, além do agravamento da taxa efetiva, pretende manter em vigor um encargo extraordinário que faz disparar o imposto em 50%. Esta medida vem sendo prorrogada no prazo, repetindo-se ano após ano. No documento que o Governo vai entregar na Assembleia da República repete-se, sendo o objetivo o de aplicar esta taxa adicional até 31 de dezembro de 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imposto do selo no crédito ao consumo agravado em 10%. Taxa extra continua até final de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião