Brexit: “Não será possível fazer tudo” para acordo comercial até final de 2020, afirma Barnier

  • Lusa
  • 18 Dezembro 2019

Barnier está preocupado como o "prazo tão limitado" para negociar com o Reino Unido a futura relação comercial entre Bruxelas e Londres, mas reforça que a UE fará "todos os esforços" para o cumprir.

O negociador chefe da União Europeia (UE) para o Brexit, Michel Barnier, disse esta quarta-feira que “não será possível fazer tudo” relativamente ao acordo comercial entre Bruxelas e Londres no prazo estipulado, até final de 2020, admitindo trabalhos posteriores.

“Francamente, com um prazo tão limitado – já ouvimos o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, dizer que não vai querer pedir um prolongamento do período de transição, apesar de ser possível até 31 de julho e poder ser estabelecido por comum acordo – não será possível fazer tudo”, declarou Michel Barnier.

Intervindo na sessão plenária do Parlamento Europeu, na cidade francesa de Estrasburgo, o negociador chefe da UE para o processo garantiu: “No entanto, envidaremos todos os esforços nesse sentido”.

Devido a este “prazo apertado”, Michel Barnier admitiu também que “é possível que, no final da transição, se veja que é necessário prosseguir o trabalho e a negociação com os britânicos além do período de transição”.

As declarações foram feitas no âmbito daquela que é “a primeira ocasião em que o Parlamento Europeu debate o Brexit sabendo que, de facto, se vai concretizar já no dia 31 de janeiro”, como observou Michel Barnier.

Optando por “olhar para o futuro” das relações entre Bruxelas e Londres, o responsável garantiu, que “independentemente do que acontecer, a amizade entre os povos deve permanecer indestrutível”.

“É essa a linha que temos de seguir e que nos vai orientar nos nossos trabalhos”, insistiu Michel Barnier, adiantando que “o Reino Unido vai continuar a ser um país amigo, aliado e terceiro”.

“Devemos traduzir essa amizade e parceria nos novos tratados”, concluiu.

Na terça-feira, foi anunciado que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, quer proibir por lei qualquer prolongamento para além de 2020 do período de transição após o ‘Brexit’ em 31 de janeiro, segundo adiantou uma fonte do governo.

A medida deverá ser inserida na legislação que regula o acordo de saída do Reino Unido da UE que o governo quer submeter ao parlamento na sexta-feira.

Já esta quarta-feira, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, considerou que se Bruxelas e Londres não chegarem a acordo comercial até final de 2020, a UE e o Reino Unido entram “num precipício”, mais prejudicial para os britânicos.

Também falando aos eurodeputados, Ursula von der Leyen aproveitou a ocasião para prestar uma homenagem a Michel Barnier, quem, a seu ver, “conseguiu honrar a confiança de todos ao longo destes anos”.

“Muito obrigada, Michel, por toda a tua dedicação ao longo destes anos”, concluiu.

Já o coordenador do grupo diretor da assembleia europeia para o Brexit, o português Pedro Silva Pereira, notou que os resultados das eleições britânicas “deixam claro que há agora uma maioria suficiente para aprovar o acordo de saída” naquele parlamento.

O eurodeputado socialista apontou ainda a necessidade de agora “negociar uma relação política, económica saudável que proteja os interesses comuns, apesar de falar num “momento triste na história da Europa” com o Brexit.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: “Não será possível fazer tudo” para acordo comercial até final de 2020, afirma Barnier

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião