Boris Johnson vence com maioria absoluta. Agradece a “todos os que votaram”

Boris Johnson deverá ter conseguido 368 dos 650 lugares no parlamento britânico. Projeção dá-lhe a maioria que pretendia para avançar com o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Boris Johnson venceu as eleições britânicas. O líder conservador terá conseguido, de acordo com a Sky News/BBC/ITV News, conquistar 368 dos 650 lugares no parlamento britânico, alcançando assim a maioria que pretendia para avançar com o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit.

De 298 deputados, o Partido Conservador prepara-se para ver a sua representação aumentar até aos 368 deputados. Boris Johnson poderá, se os resultados se confirmarem, alcançar a maior vitória desde Margaret Thatcher em 1987, quando a antiga primeira-ministra chegou aos 376 deputados.

Num primeiro post no Twitter Boris publicou uma fotografia tirada durante a campanha onde se lê: “We love Boris”. O líder conservador não reage às projeções, mas agradece “a todos os que votaram, que se voluntariaram e que se candidataram”. “Vivemos na maior democracia do mundo”, rematou, tendo, depois, feito um retweet um post do Partido Conservador com o resultado da sondagem:

Esta vitória de peso dos conservadores é conseguida muito à custa dos trabalhistas, que se preparam para ter o pior resultado desde 1935. A projeção aponta para um total de 191 deputados contra os 243 que o partido de Jeremy Corbyn tinha antes destas eleições.

Corbyn fez uma publicação no Twitter logo após a divulgação das projeções, mas apenas para agradecer o apoio dos membros do partido na campanha para estas eleições. “Sim, vocês são o coração do partido”, afirmou.

O porta-voz do partido trabalhista já veio reagir aos resultados, mas apenas para lembrar que são ainda projeções. “É ainda o início da noite. Ainda é muito cedo para se saber os resultados” das eleições, diz, citado pelo Guardian. No entanto, já começam a surgir as primeiras críticas a Jeremy Corbyn.

Com menos deputados do que o Partido Trabalhista surgem, depois, o Partido Nacionalista Escocês, com 55 deputados, os Liberais Democratas, com 13, e o Plaid Cymru (nacionalistas galeses), que obteve três, e os Verdes, apenas com um assento.

Cerca de 46 milhões de britânicos votaram esta quinta-feira nas eleições legislativas antecipadas no Reino Unido, as terceiras em menos de cinco anos, convocadas pelo governo para tentar desbloquear o impasse criado no parlamento pelo processo de saída do país da União Europeia.

Caminho aberto para o Brexit

Os primeiros resultados oficiais começaram a ser anunciados pelas 23h00, mas só a partir das 2h00 de sexta-feira é que começaram a sair em maior número, podendo começar a perceber-se se as projeções se confirmam.

Assumindo que as projeções estão certas, com a maioria dos conservadores, o acordo para o Brexit firmado por Boris Johnson com Bruxelas deverá ser ratificado. O líder conservador já tinha adiantado, ainda antes da votação, que queria levar o acordo de novo a votos até ao Natal.

O Reino Unido poderá, assim, sair da União Europeia em janeiro, no dia 31, mas o processo fica longe de estar concluído. Entra-se num período de transição, durante o qual tem de ser alcançado um acordo definitivo para a relação entre as potências, até ao final do ano.

(Notícia atualizada pela última vez às 23h57 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boris Johnson vence com maioria absoluta. Agradece a “todos os que votaram”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião