Peso do turismo no Valor Acrescentado Bruto nacional aumentou para 8% em 2018

  • ECO e Lusa
  • 18 Dezembro 2019

Segundo os dados do INE, o Valor Acrescentado Bruto gerado pelo turismo foi de 14.091 milhões de euros em 2018, o que significa um crescimento de 8% face ao valor gerado em 2017.

O Valor Acrescentado Bruto (VAB) gerado pelo turismo foi de 14.091 milhões de euros em 2018, representando 8% do VAB total nacional, acima dos 7,7% de 2017, informou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O VAB (resultado final da atividade produtiva num determinado período) gerado pelo turismo de 14.091 milhões de euros significou um crescimento de 8% face ao valor gerado em 2017 (13.045 milhões de euros), superior ao crescimento do VAB da economia nacional (3,9%).

Ainda segundo a primeira estimativa Conta Satélite de Turismo (CST), divulgada esta quarta-feira, a procura turística (consumo do turismo no território económico) aumentou 7,7% face a 2017, equivalendo em 2018 a 14,6% do Produto Interno Bruto (PIB).

Já em 2017, segundo os últimos dados disponíveis, a despesa do turismo recetor (termo para as exportações de turismo, correspondente a despesas de não residentes em território económico nacional) continuou a ser a componente mais importante na atividade turística, ao representar 18.140 milhões de euros, mais 22,6% face a 2016.

Quase 97% do total da despesa do turismo recetor foi feita por turistas, enquanto os excursionistas (turistas sem pernoita fora de casa) foram responsáveis pelos restantes 3%.

Na despesa do turismo interno, cerca de 9.556 milhões de euros (mais 9,8% face a 2016), a despesa dos turistas continua a maior, com 63,3%, enquanto os excursionistas representam 36,7%.

Remuneração média no turismo 6% inferior à média nacional em 2017

Também esta quarta-feira, o INE divulgou que a remuneração média por trabalhador nas atividades características do turismo ficou 6,0% abaixo da média nacional em 2017.

De acordo com a Conta Satélite do Turismo do Instituto Nacional de Estatística (INE), que para o emprego tem dados apenas relativos a 2017, nesse ano o emprego nas atividades características do turismo aumentou 8,7% face a 2016 para 413.567 ETC (medido em equivalente a tempo completo), representando 9,0% do total do emprego nacional.

Já considerando exclusivamente a componente turística das atividades características do turismo (ou seja, dentro de atividades como hotéis ou restaurantes fazendo uma análise mais fina do peso do turismo, uma vez que há clientes que não turistas que usam estas atividades), o emprego correspondeu a 5,1% do total do emprego nacional (231.620 ETC).

Do emprego total, cerca de 84% do emprego (ETC) concentrou-se em restaurantes e similares (51,2%), hotéis e similares (20,7%) e transporte de passageiros (12,2%).

Quanto às remunerações, em 2017, a remuneração média por trabalhador nas atividades características do turismo foi inferior em 6,0% à média nacional.

Contudo, há diferenças por atividade: a remuneração média por trabalhador é inferior à média nacional em restaurantes e similares (76,3%), hotéis e similares (90,7%) e serviços culturais (98,3%).

Por outro lado, a remuneração média é superior à média nacional em transportes de passageiros (143,7%), desporto, recreação e lazer (128%), aluguer de equipamentos de transporte (109,1%) e agências de viagens (107,4%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Peso do turismo no Valor Acrescentado Bruto nacional aumentou para 8% em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião