Impeachment de Trump é o terceiro na história dos EUA. Processo nunca passou no Senado

O processo de destituição de Donald Trump foi aprovado na Câmara dos Representantes. O presidente norte-americano é o terceiro a enfrentar o julgamento no Senado, que nunca aprovou um impeachment.

Donald Trump tornou-se o terceiro presidente dos Estados Unidos a passar para a fase seguinte do processo de destituição, no Senado. A Câmara dos Representantes aprovou duas acusações contra Trump, de abuso de poder e obstrução aos trabalhos do Congresso.

Em causa estão alegações de que Trump pressionou o presidente da Ucrânia, Volodymyz Zelensky, para investigar a atividade do filho de Joe Biden, candidato democrata à presidência, junto de uma empresa ucraniana envolvida em casos de corrupção. Agora, o destino do presidente norte-americano está nas mãos do Senado.

Processos de impeachment nunca passaram no Senado

Foi há 151 anos que, pela primeira vez, a conduta de um presidente norte-americano foi posta em causa num processo de destituição. Andrew Johnson foi acusado, em 1868, de violar a lei de posse do cargo, que atualmente já não está em vigor, que tinha como objetivo restringir o poder do presidente dos Estados Unidos de despedir certos funcionários sem a aprovação do Senado.

Por mais de um século não houve mais nenhum presidente a ser julgado no Senado. Em 1973, foi aberto um processo para a destituição de Richard Nixon, quando estalou o caso Watergate, em 1973, mas este demitiu-se antes que o impeachment fosse a votos na Câmara dos Representantes.

Parecia que o milénio iria chegar ao fim sem mais destituições. Até que Bill Clinton, em 1998, foi acusado de perjúrio e obstrução da justiça. Na base do processo esteve o polémico caso do antigo presidente norte-americano com a estagiária Monica Lewinsky. Ambos os presidentes foram absolvidos no Senado, mas enquanto Clinton escapou confortavelmente, Johnson foi salvo apenas por um voto.

Agora, cerca de duas décadas depois, é a vez de Trump. No Senado, os republicanos, do partido de Trump estão em maioria. Por isso, o esperado é que o processo também não seja aprovado no Senado. Ainda assim, tudo está em aberto. Para o impeachment ser aprovado, são necessários os votos de dois terços do Senado.

Donald Trump mostra-se confiante de que o impeachment não irá avançar, desvalorizando o processo. Enquanto a votação começava na Câmara dos Representantes, Trump dizia aos apoiantes, num comício no Michigan: “não sinto verdadeiramente que estejamos a ser destituídos”.

O presidente norte-americano não se referiu apenas a si pessoalmente. “Os democratas que não fazem nada estão a declarar o seu profundo ódio e desdém pelo povo americano”, criticou o presidente. “Este impeachment partidário ilegal é um suicídio político para o Partido Democrata”, atirou.

Mais tarde, no Twitter, partilhou esta mensagem ainda mais claramente. “Na realidade, não estão a vir atrás de mim. Estão a ir atrás de vocês”, lia-se em letras maiúsculas sobre uma imagem de Trump a apontar para o leitor. “Eu estou só no meio do caminho”, completou o presidente norte-americano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impeachment de Trump é o terceiro na história dos EUA. Processo nunca passou no Senado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião