Revista de imprensa internacional

Alguns operadores conseguiram ouvir conferências do Banco de Inglaterra antes do tempo. A Apple, a Amazon e a Google decidiram juntar-se para melhorar dispositivos inteligentes.

Alguns operadores conseguiram ouvir conferências do Banco de Inglaterra antes do tempo, admitiu a autoridade monetária. A Apple, a Amazon e a Google, normalmente rivais, decidiram juntar-se para melhorar dispositivos inteligentes que funcionam com assistentes de voz. Por outro lado, a BMW e a Daimler recuaram na parceria que tinham formado para desenvolver o carsharing, depois de verem poucos resultados. Veja estas e outras notícias que marcam a atualidade internacional.

Reuters

Hedge funds tiveram acesso antecipado às conferências do Banco de Inglaterra

O Banco de Inglaterra admitiu que operadores da bolsa de alta frequência conseguiram ouvir com alguns segundos de antecedência a conferência de imprensa em que dá habitualmente conta das decisões de política monetária. “Recentemente identificámos que o sinal de áudio de certas conferências de imprensa, instalado apenas como cópia de segurança em caso de o vídeo falhar, tem sido mal utilizada por um fornecedor para prestar serviços a outros clientes externos”, disse a autoridade monetária. Os comunicados de imprensa dos bancos centrais são um dos eventos com maior impacto nos mercados.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Financial Times

Apple, Amazon e Google formam aliança para dispositivos inteligentes para casa

A Apple, a Amazon e o Google formaram uma aliança para melhorar os dispositivos inteligentes para casa, num esforço para evitar uma disputa que limita o mercado de gadgets equipados com Alexa, Siri e Google Assistant. As empresas concordaram em colaborar entre si e com os membros da Zigbee Alliance, que inclui empresas como a Samsung, para construir um padrão comum para que os dispositivos conectados possam ser operados por qualquer assistente de voz.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Bloomberg

BMW e Daimler voltam atrás na parceria para carsharing

As fabricantes de automóveis alemãs BMW e Daimler tinham-se juntado para colaborar no carsharing, mas decidiram travar a joint-venture. O aumento dos custos e a falta de interesse dos clientes estão na base desta decisão. Para além disso, os novos líderes das marcas alemãs, Oliver Zipse, da BMW, e Ola Kallenius, da Daimler, não querem investir mais no projeto, numa altura em que grande parte dos fundos é canalizada para o desenvolvimento de carros elétricos.

Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Cinco Días

Facebook fecha compra de empresa espanhola de videojogos

O Facebook concluiu a aquisição da PlayGiga, uma empresa espanhola de videojogos especializada em cloud gaming, no que é mais um passo para entrar no mercado, tendo nos planos uma plataforma de streaming de jogos. A empresa liderada por Mark Zuckerberg terá pago cerca de 70 milhões de euros pela startup espanhola, de acordo com fontes próximas do assunto, naquela que foi a primeira aquisição do Facebook no país.

Leia a notícia completa no Cinco Días (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Washington Post

Uber vai pagar 4,4 milhões de dólares por causa da discriminação e assédio sexual nos EUA

A Uber vai pagar 4,4 milhões de dólares às alegadas vítimas de discriminação de género e reforçar a defesa contra o assédio sexual. Em causa no acordo estão reivindicações decorrentes de uma investigação aberta pela Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego dos EUA em 2017 sobre a cultura do local de trabalho da Uber. A agência encontrou indícios suficientes que levam a acreditar que a Uber “permitia uma cultura de assédio e retaliação contra indivíduos que se queixavam de tal assédio”.

Leia a notícia completa no Washington Post (acesso livre, conteúdo em inglês).

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião