Poupança das famílias cresce no terceiro trimestre. Toca máximos do ano

Depois da quebra no trimestre anterior, a taxa de poupança das famílias voltou a aumentar no terceiro trimestre do ano. Atingiu 6,2% do rendimento disponível.

As famílias portuguesas estão a poupar mais. Depois da quebra registada no trimestre anterior, a taxa de poupança voltou a aumentar no terceiro trimestre do ano, alcançando 6,2% do rendimento disponível, de acordo com os dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Está em máximos do ano.

“A taxa de poupança aumentou para 6,2% do rendimento disponível, refletindo sobretudo o crescimento de 0,9% do rendimento disponível, superior em 0,2 p.p. ao aumento do consumo final”, diz o INE na divulgação das Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional. Estava em 6,1% no trimestre anterior.

A taxa de poupança das famílias mede a parte do rendimento disponível que não é utilizado em consumo final, sendo calculada através do rácio entre a poupança bruta e o rendimento disponível.

Esta taxa de 6,2% significa que por cada 100 euros de rendimento, as famílias portuguesas pouparam pouco mais de seis euros. É um valor baixo, que fica bastante aquém da média da União Europeia, mas melhorou, tendo mesmo sido alcançada a taxa de poupança mais elevada desde o terceiro trimestre de 2018, de acordo com dados do INE.

A “evolução do rendimento disponível das famílias foi determinada pelo crescimento de 1,1% das remunerações recebidas, que explicam 0,7 p.p. do aumento do rendimento”, acrescenta o INE. Ou seja, este aumento da taxa de poupança reflete a evolução positiva dos salários, isto num período marcado, para muitos portugueses, pelo pagamento do subsídio de férias.

Refletindo o aumento da taxa de poupança, que cresceu de forma mais expressiva que o investimento (variação homóloga positiva de 1,8%) das famílias, o INE nota que a “capacidade de financiamento das famílias situou-se em 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano acabado no 3º trimestre de 2019, mais 0,1 p.p. que no trimestre anterior”.

(Notícia atualizada às 11h48 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Poupança das famílias cresce no terceiro trimestre. Toca máximos do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião