Preços das casas aumentam 10,3% no terceiro trimestre

Os preços das casas continuam a subir, tendo aumentado 10,3% no terceiro trimestre deste ano, face ao mesmo período do ano anterior. Cresceram também relativamente ao trimestre anterior.

Os preços das casas em Portugal continuam a subir. No terceiro trimestre deste ano aumentaram 10,3% em termos homólogos, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE) nesta segunda-feira. Acelerou em todos os sentidos, já que também subiu face ao trimestre anterior.

O Índice de Preços da Habitação tem vindo sempre a crescer, e aumentou 1,2% em relação ao trimestre anterior. No entanto, este foi “o mais baixo ritmo de crescimento dos últimos quatro trimestres”, sinaliza o INE. Quando se olha para as categorias, as habitações existentes viram os preços subir a um ritmo mais rápido do que as novas.

Já o número de vendas voltou a cair, sendo que “entre julho e setembro de 2019 realizaram-se 45.830 transações, o que representa uma redução de 0,2% por comparação com o mesmo trimestre de 2018″, refere o INE. Ainda assim, o valor das transações aproximou-se dos 6,5 mil milhões de euros, mais 3% que no terceiro trimestre do ano passado.

Comparado com o trimestre anterior, as vendas subiram 7,6%. Os valores das transações subiram também face ao período entre abril e junho deste ano, “interrompendo uma série de três trimestres consecutivos de reduções em cadeia”, aponta o INE.

O valor das transações de habitações nas regiões Norte, Centro e Alentejo atingiram os montantes mais elevados desde que há registo, com 1,5 mil milhões de euros, 850 milhões de euros e 260 milhões de euros, respetivamente. Por outro lado, as transações na Área Metropolitana de Lisboa reduziram-se, continuando, no entanto, a representar quase metade do valor total.

(Notícia atualizada às 12h10)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preços das casas aumentam 10,3% no terceiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião