Dez dicas para um Natal mais sustentável

De forma minimizar os excessos típicos da noite de Natal, a Quercus lançou dez dicas simples, alertando que é possível chegar ao desperdício zero.

Na noite de Natal e passagem de ano existe uma tendência natural para existir muita comida na mesa, o que significa desperdício. Normalmente as pessoas compram e cozinham alimentos em quantidades muito superiores ao que é, efetivamente, necessário. Para além do desperdício alimentar, na altura de abrir os presentes convém lembrar que é possível reaproveitar. A Quercus sugere dez dicas simples, de forma a evitar os excessos e ter um Natal muito mais sustentável, sem desperdícios.

  1. Faça uma lista dos convidados

    Faça uma lista com o número de pessoas que estarão reunidas à mesa na noite de Natal. Desta forma será muito mais fácil gerir a ceia sem exageros e desperdícios. Olhe para a lista e pense previamente no que será necessário comprar.

  2. Lista de compras é obrigatória

    É imprescindível fazer uma lista de compras e verificar previamente o que já existe em casa e o que será, efetivamente, necessário comprar. Desta forma evita fazer compras desnecessárias.

  3. Cozinha sustentável

    A primeira dica é cozinhar em casa. A Quercus aconselha os portugueses a separar todos os resíduos gerados na preparação da ceia de Natal. Tudo o que são resíduos orgânicos, como por exemplo cascas de batatas, deverão seguir, se possível, para compostagem. Já as embalagens de plástico, para quem não está recordado, devem ser depositadas no ecoponto amarelo, o vidro no ecoponto verde e o papel no azul.

  4. Decoração com matérias reutilizáveis

    Decore a mesa de Natal com arranjos feitos por si, reutilizados de outros anos e, de preferência, que possam ser usados novamente no Natal seguinte. Não use guardanapos, nem tolha de papel. Dê preferência aos guardanapos de pano. Para além de ser uma opção mais sustentável, é mais requintado.

  5. No final da refeição aposte na compostagem

    Todas as sobras de comida que ficarem nos pratos devem, se possível, ser encaminhados para compostagem.

  6. Aproveite o pão duro para fazer doces de Natal

    Não deite fora as sobras de pão duro e aproveite as mesmas para fazer alguns doces típicos de Natal, como por exemplos as rabanadas e os sonhos. São doces típicos, muito fáceis de fazer e apelam à redução dos desperdícios.

  7. Aposte em doses pequenas

    Nesta época é imperioso ter a mesa recheada. Há sempre a tendência para a variedade e para o exagero. Faça pequenas doses de tudo. Se um doce acabar, mais vale provar outra sobremesa, do que haver quantidades de doces a mais.

  8. Entregue a comida a instituições de solidariedade

    Se chegar à oitava dica e ainda sobrar comida ou doces de Natal, não se esqueça que existem instituições de solidariedade que recebem comida para distribuir por quem mais precisa.

  9. Não rasgue os embrulhos de Natal

    Para muitos esta é a altura mais emocionante, a entrega dos presentes de Natal. Todavia, na altura de abrir os presentes, lembre-se de não rasgar os papéis. Há embrulhos que podem ser perfeitamente reutilizados nos natais seguintes.

  10. Recicle

    Caso não consiga conter-se e acabe por rasgar os embrulhos não se esqueça de encaminhados para reciclagem.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dez dicas para um Natal mais sustentável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião