Proposta de OE “desvaloriza e desrespeita trabalhadores da Administração Pública”, diz Arménio Carlos

Para o secretário-geral da CGTP, a proposta do Orçamento do Estado para o próximo ano deveria contemplar um maior aumento dos salários e das reformas.

O secretário-geral da CGTP criticou a proposta de Orçamento do Estado para 2020 apresentada pelo Governo porque “desvaloriza e desrespeita os trabalhadores da Administração Pública, não respeita reformados e secundariza papel da situação difícil em que os desempregados vivem”.

“Num momento em que se fala de excedente orçamental é tempo de os salários aumentarem de forma significativa, não pela via dos 0,3% que inexplicavelmente foram apresentados à Administração Pública, apontou Arménio Carlos, em declarações à saída do encontro com o Presidente da República, transmitidas pelas televisões.

O secretário-geral da CGTP reiterou também que é “necessário um aumento significativo das reformas” e que a fórmula de cálculo seja alterada “para que pensionistas não fiquem reféns da evolução da situação económica”. Arménio Carlos sinalizou ainda a importância da proteção dos desempregados, já que “muitos deles não têm qualquer apoio do Estado”.

Quanto ao acordo sobre a competitividade e rendimentos, o sindicalista indicou que “não pode haver um acordo sério a construir na concertação social enquanto a contratação coletiva continuar bloqueada”. Estas visões foram transmitidas a Marcelo Rebelo de Sousa, que reúne nesta quinta-feira com os parceiros sociais no Palácio de Belém.

“Carga fiscal continua a ser muitíssimo elevada”, aponta UGT

Também esta quinta-feira, a presidente da UGT manifestou a sua “grande preocupação” quanto à proposta de Orçamento do Estado para 2020 apresentada pelo Executivo, criticando a elevada carga fiscal que, na sua visão, fará diminuir o poder de compra dos portugueses. Ainda assim, a central sindical demonstra “disponibilidade total” para acordo, mas com condições.

“Estamos muito preocupados porque entendemos que a carga fiscal continua a ser muitíssimo elevada, o que vai contribuir para que o salário disponível dos trabalhadores, reformados e pensionistas seja, com certeza, muito menor, e com que o poder de compra diminua, até atendendo à política de inflação que está prevista para o próximo ano“, disse Lucinda Dâmaso, em declarações à saída do encontro com o Presidente da República, transmitidas pela SIC Notícias.

Relativamente aos aumentos da Função Pública, a UGT não considera aceitável a proposta de 0,3% apresentada pelo Executivo, lembrando que os trabalhadores tiveram os seus salários congelados desde 2009. “ agora se está a recuperar o vencimento nominal mas, em termos de salário real, aquilo que um trabalhador da Administração Pública recebe é bem menos do que aquilo que recebia em 2009″, assinala Lucinda Dâmaso.

Não obstante, a UGT diz ter “disponibilidade total” para um acordo em concertação social desde que traga benefícios para os trabalhadores. “Como sempre, a UGT está disponível para um acordo em concertação social, mas um acordo tem de ter as partes: entidade patronal, Governo e a UGT, e com ganhos de causa de cada uma das partes”, disse a presidente, acrescentando que “até agora ainda não foi possível que a UGT obtivesse ganhos de causa”.

(Notícia atualizada às 14h59 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Proposta de OE “desvaloriza e desrespeita trabalhadores da Administração Pública”, diz Arménio Carlos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião