Mesmo sem Ricardo Araújo Pereira, TVI promete “continuar a perseguir formatos inovadores”

O humorista Ricardo Araújo Pereira decidiu mudar para a SIC, mas a TVI promete "continuar a perseguir formatos inovadores" na televisão portuguesa, diz Sérgio Figueiredo, diretor de informação.

No dia em que “perdeu” Ricardo Araújo Pereira para a concorrência, a TVI promete “continuar a perseguir formatos inovadores”. Numa declaração enviada ao ECO, o diretor de informação da TVI, Sérgio Figueiredo, também enaltece o trabalho desenvolvido com o conhecido humorista na estação de Queluz de Baixo.

“A presença de Ricardo Araújo Pereira nos últimos anos na TVI permitiu-nos valorizar o humor na televisão portuguesa como há muitos anos não acontecia”, começa por dizer Sérgio Figueiredo. A TVI ousou formatos inovadores e marcantes, coisas que continuaremos a perseguir, assumindo opções que não são óbvias a partida mas que se tornam rapidamente aceites pela qualidade e inteligência da Informação de que o país tanto necessita”, acrescenta o diretor.

A Impresa IPR 4,60% anunciou esta sexta-feira que Ricardo Araújo Pereira, até aqui na TVI, vai entrar “na antena da SIC a partir de janeiro de 2020″. O programa de análise política Governo Sombra, da TVI24, que conta ainda com Pedro Mexia, João Miguel Tavares e Carlos Vaz Marques, também vai passar para a grelha da SIC, revelou a empresa.

“Ricardo Araújo Pereira é licenciado em Comunicação Social pela Universidade Católica e começou a sua carreira como jornalista no Jornal de Letras. É guionista desde 1998. Em 2003, com Miguel Góis, Zé Diogo Quintela e Tiago Dores, formou na SIC [o grupo humorístico] Gato Fedorento. Escreve semanalmente na Visão e na Folha de S. Paulo“, indicou o grupo num comunicado.

Até aqui, para além de Governo Sombra, Ricardo Araújo Pereira apresentava o programa humorístico Gente Que Não Sabe Estar, emitido pela TVI em horário nobre, aos domingos. Durante as últimas eleições, o segmento foi emitido diariamente com entrevistas a algumas das principais figuras da atualidade política.

(Notícia atualizada pela última vez às 15h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mesmo sem Ricardo Araújo Pereira, TVI promete “continuar a perseguir formatos inovadores”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião