Rui Rio acusa Governo de falta de transparência

Rui Rio questiona as contas do Governo. Acusa o Executivo de "falta de transparência" na proposta de Orçamento do Estado para 2020.

O líder do Partido Social-Democrata (PSD), Rui Rio, questiona as contas do Governo relativamente ao excedente apresentado no Orçamento do Estado de 2020. Fala em “falta de transparência” por parte do executivo de António Costa, nomeadamente do seu ministro das Finanças, Mário Centeno.

“O Governo esquece-se de 590 milhões de euros [na proposta de OE]. Evaporam-se 590 milhões de euros que o ministro [Mário Centeno] já tentou responder muitas vezes, sempre de uma forma pouca educada. Agora não está capaz de dar resposta, onde é que estão aqueles 590 milhões de euros”, afirmou Rui Rio em declarações aos jornalistas, transmitidas pela RTP3, à saída de um encontro com os militantes do PSD, em Leiria.

Para o social-democrata, o Executivo está a aproveitar-se da iliteracia financeira dos portugueses e acusa o Governo de “falta de transparência”. “Embrulha-se, tira partido das pessoas não perceberem tecnicamente do que estamos a falar. Mas aquilo que estamos a falar (…) é eu ter um valor num quadro e quando salto para o outro quadro, trocar esse valor. O mesmo valor não é igual nos dois quadros“, assinala Rui Rio.

Segundo o presidente do PSD, o ministro das Finanças só tem duas opções: ou vai “cativar” os 590 milhões da folga prevista na despesa, ou por outro lado, “vai gastá-los”, mas desta forma “o Orçamento não tem um superavit, mas um pequeno défice”.

Na proposta de Orçamento do Estado para 2020, o Governo prevê um excedente de 0,2%, o primeiro da democracia. Contudo, para este saldo positivo, o Executivo parte do princípio que não irá executar uma parte das despesas que serão autorizadas pelo Parlamento, os tais 590 milhões de euros que têm vindo a gerar uma guerra de palavras entre Rio e Centeno.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio acusa Governo de falta de transparência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião