Queda de avião ucraniano em Teerão sem sobreviventes, pelo menos 170 pessoas a bordo

  • Lusa
  • 8 Janeiro 2020

Pelo menos 170 pessoas, entre passageiros e tripulantes, seguiam a bordo do Boeing 737, que se despenhou pouco depois de descolar do aeroporto internacional Imam Khomeini, em Teerão.

A queda de um avião ucraniano perto da capital do Irão provocou esta quarta-feira a morte de todas as pessoas que seguiam a bordo, informaram as autoridades de emergência iranianas.

Pelo menos 170 pessoas, entre passageiros e tripulantes, seguiam a bordo do Boeing 737-800, que se despenhou pouco depois de descolar do aeroporto internacional Imam Khomeini, em Teerão. Uma informação divulgada anteriormente pela televisão estatal iraniana dava conta de que 180 pessoas seguiam a bordo da aeronave.

Segundo agências internacionais, o avião da Ukraine International Airlines caiu num terreno agrícola a sudoeste de Teerão, para onde já foi mobilizada uma equipa de investigação.

Equipas de emergência caminham por entre os destroços do Boeing 737-800 que se despenhou pouco depois de ter levantado voo no aeroporto de Teerão. Todos os ocupantes morreram.Abedin Taherkenareh/EPA 8 Janeiro, 2020

As primeiras indicações disponibilizadas pelas autoridades iranianas apontaram para a existência de problemas mecânicos. Segundo a Bloomberg (acesso pago), os pilotos não terão emitido um alerta de emergência e o ministro dos transportes do Irão apontou para a possibilidade de ter ocorrido um incêndio num dos motores.

O Governo da Ucrânia informou que 83 iranianos, 63 canadianos, 10 suecos, quatro afegãos, três alemães e três britânicos morreram quando o avião se despenhou. A informação foi avançada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Vadym Prystaiko, na rede social Twitter.

Apenas dois passageiros e os nove elementos da tripulação eram de nacionalidade ucraniana, indicou.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, já apelou para que se evitem especulações sobre a queda do avião ucraniano no Irão. “Peço a todos que se abstenham de especulações e versões não verificadas do desastre”, escreveu Zelensky na rede social Facebook.

Entretanto, as autoridades iranianas já descobriram as caixas negras do avião, avançou a AFP. Mas a imprensa internacional está a referir que o Irão se recusa a entregá-las à Boeing.

O acidente ocorreu horas depois do lançamento de dezenas de mísseis iranianos contra duas bases em Ain Assad e Arbil, no Iraque, utilizadas pelo exército norte-americano, numa operação de vingança pela morte do general iraniano Qassem Soleimani.

O Boeing 737-800 é um avião a jato de curto a médio alcance. Milhares destas aeronaves são usadas por companhias aéreas em todo o mundo.

(Notícia atualizada às 12h40 com a descobertas das caixas negras)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Queda de avião ucraniano em Teerão sem sobreviventes, pelo menos 170 pessoas a bordo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião