Vai trabalhar para fora? Eis o que precisa saber antes de levantar voo

Se está a pensar apostar numa carreira fora do país, há alguns passos que não pode dispensar. O Inov Contacto explica o que deve fazer antes de partir numa experiência profissional internacional.

Com o início do novo ano, é também altura de começar novos desafios profissionais. Se no seu caso se trata de uma experiência internacional, saiba que há alguns passos que não pode evitar. O programa de estágios INOV Contacto dá cinco conselhos de resoluções de ano novo essenciais para preparar e dar início a uma carreira internacional.

“Ter uma experiência profissional noutro país é uma possibilidade de começar uma carreira internacional e abrir portas para novas oportunidades em todo o mundo. As capacidades linguísticas desenvolvem-se muito mais rapidamente e ganham-se competências culturais e uma bagagem de soft skills que, de outra forma dificilmente se adquiririam”, sublinha Maria João Bobone, diretora do programa INOV Contacto.

  • Tenha todos os documentos necessários

Uma das tarefas mais importantes antes de partir para uma experiência internacional é tratar com antecedência de todos os documentos necessários, para garantir que tem tudo o que necessita para iniciar a esta nova etapa da vida. Se já terminou o ensino superior ou está prestes a terminar, deve pedir de imediato o certificado de habilitações em inglês na respetiva faculdade. Caso o destino seja fora da Europa, é urgente tratar do passaporte ou verificar a validade do Cartão de Cidadão. Verifique a necessidade de vistos de residência no país para onde vai trabalhar.

  • Apresente o currículo em inglês

Apresentar um CV em inglês é um dado adquirido para quem se está a candidatar a uma oferta de emprego ou estágio internacional. Além da língua, é também importante fazer com que o seu CV se destaque das restantes candidaturas – um CV criativo, curto, que dê destaque às soft skills – e marque a diferença. No entanto, muitas empresas internacionais e programas internacionais ainda exigem a apresentação do currículo em formato Europass, sendo que neste caso deve preenchê-lo só com informações e competências relevantes para o cargo em questão.

  • Invista em atividades extracurriculares

Os perfis multidisciplinares e com experiência em diferentes backgrounds são cada vez mais procurados. Seja um recém-licenciado ou uma pessoa com experiência, é importante apostar em atividades fora da área de estudo ou de trabalho e que o coloquem em contacto com diferentes realidades. Apostar em iniciativas de voluntariado, estudar fora do país, viajar, atividades com artes, criar um projeto do zero, são excelentes formas de ganhar novas competências que enriquecem o CV e ganham peso a nível internacional.

"Além de uma mente aberta, exige alguma preparação pessoal ao nível da resiliência e capacidade de adaptação, bem como toda a logística inerente à documentação necessária para conseguir um desafio fora de Portugal”

Maria João Bobone

diretora do programa Inov Contacto

  • Tenha um certificado de inglês e saiba falar outras línguas

O inglês é das línguas mais faladas no mundo e umas das mais requisitadas pelas empresas. Como tal, antes de se lançar numa experiência internacional, é essencial ter um certificado atualizado deste idioma. Se o inglês não for o seu forte, aposte noutras línguas, que também são valorizadas no mercado de trabalho, tais como o alemão, o espanhol, o francês e o mandarim.

  • Use (e abuse) do LinkedIn

Construir e manter uma rede de contactos noutro país é sempre uma mais-valia, caso seja necessário alguma ajuda ou algum conselho. A rede social profissional LinkedIn pode ajudá-lo a criar uma rede de contactos no país onde vai começar a trabalhar e encontrar pessoas que trabalhem na mesma área. Escolha o perfil em inglês, participe em grupos de discussão, siga empresas e envie convites personalizados a pessoas-chave. “São práticas essenciais para tirar o maior partido desta rede social empresarial e ter acesso a contactos privilegiados“, explica o INOV Contacto em comunicado.

Segundo o INOV Contacto, os Emirados Árabes Unidos, Cabo Verde, Colômbia, Macau e Reino Unido, são os melhores países para se iniciar uma carreira internacional em 2020. Um baixo custo de vida, salários mais elevados, taxas de desemprego baixas, qualidade de vida, são algumas das razões que os tornam os melhores lugares para se começar uma nova aventura profissional além-fronteiras.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vai trabalhar para fora? Eis o que precisa saber antes de levantar voo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião