Trabalho e carreira são as áreas que mais preocupam jovens adultos

  • Lusa
  • 5 Dezembro 2019

Os jovens adultos apresentam receios em relação ao futuro e também expectativas relativamente ao trabalho e à carreira. Fatores estão relacionados com a expectativa de constituir família e casamento.

Os jovens adultos apresentam receios em relação ao futuro e também expectativas relativamente ao trabalho e à carreira, concluiu um estudo de uma investigadora.

Ao todo, participaram 418 jovens adultos no inquérito: 80,9% elegeram o trabalho e carreira como área onde apresentam expectativas e 66,4% como área que motiva receios em relação ao futuro, referiu à agência Lusa a investigadora Gabriela Jorge Fonseca, que está a realizar o projeto de doutoramento nas Faculdades de Psicologia da Universidade de Lisboa e a da Universidade de Coimbra.

No inquérito, cujos resultados foram publicados num artigo científico em setembro, os jovens adultos respondiam a perguntas de resposta aberta sobre quais as expectativas e receios que tinham em relação ao futuro, sendo que depois as respostas eram classificadas em diferentes domínios de vida.

O trabalho e a carreira foram o domínio mais referido pelos jovens adultos no inquérito realizado em 2019, tal como já tinha acontecido em 2018, numa amostra com 332 jovens, com resultados semelhantes (83,1% assumiam expectativas nesta área e 71,2% receios).

O segundo domínio mais referido pelos jovens está relacionado com a expectativa de constituir família e casamento (51,1%) e o receio de não o poder fazer (21,9%).

Segue-se os recursos financeiros, com 28,4% a assumirem medo em relação à falta dos mesmos no futuro.

Segundo a investigadora Gabriela Jorge Fonseca, não foram encontradas “correlações significativas entre o número de expectativas e receios reportados pelos participantes” na área do trabalho e carreira ao nível das diferentes variáveis, seja a idade, o estatuto ocupacional ou o nível socioeconómico familiar.

“Ou seja, estes dados globalmente sugerem que, para os jovens, estes domínios estão presentes no seu pensamento sobre o futuro, independentemente da idade que tenham, do facto de já estarem a trabalhar ou ainda do nível socioeconómico da sua família”, referiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalho e carreira são as áreas que mais preocupam jovens adultos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião