Fintech sueca Tink entra em Portugal com plataforma de open banking

  • Lusa
  • 5 Dezembro 2019

A Tink foi lançada pela CGD e permite que qualquer cliente bancário nacional, mesmo que não seja da Caixa, possa agregar todas as contas bancárias numa só plataforma.

A fintech (empresa tecnológica financeira) sueca Tink está a entrar no mercado português com a sua plataforma de open banking, que permite a bancos e empresas desenvolver serviços financeiros especializados.

Em declarações à agência Lusa, Beatriz Gimenez, country manager da empresa para Espanha e Portugal, referiu que o mercado nacional é “muito interessante por várias razões”. “Já temos um cliente que usou a nossa tecnologia para lançar a Dabox, a Caixa Geral de Depósitos [CGD], esta solução foi lançada usando a nossa tecnologia”, adiantou a responsável.

Esta app (aplicação) lançada pelo banco público permite que qualquer cliente bancário nacional, mesmo que não seja da Caixa, possa agregar todas as contas bancárias numa só plataforma “e disponibiliza um personal trainer financeiro, através de um processo de registo simples, que se completa em segundos”, segundo um comunicado da CGD, de novembro.

Beatriz Gimenez acredita que a Tink pode fornecer mais serviços do género aos bancos portugueses, realçando que a empresa liga “mais de 2.500 bancos em toda a Europa”. O “que estamos a lançar agora é a plataforma em Portugal”, referiu.

A Tink “foi desenvolvida de forma a ser muito fácil de usar e integrar”, afirmou Beatriz Gimenez, sendo que a empresa não trabalha com o cliente final e sim com empresas ou bancos, desenvolvendo soluções que poderão depois chegar à população em geral.

A empresa veio para Portugal graças ao contrato com a CGD e agora planeia expandir-se, através da contratação de uma pessoa no país.

Beatriz Gimenez destacou ainda que Portugal também “tem uma ligação importante com mercados como o Brasil e África”, e, por isso, “seria um bom ponto de entrada” nas regiões, ainda que este plano seja mais a médio prazo.

A Tink conta com informação financeira de 20 instituições financeiras e bancos em Portugal: ActivoBank, Atlântico Europa, Santander, Montepio, BPI, Bankinter, Novo Banco, BCP, CGD, Banco CTT, BiG, Crédito Agrícola, Cofidis, Caixa CRL, Novo Banco Açores, Unicre, Revolut, BPG, CEMAH and EuroBic, segundo informação divulgada pela tecnológica.

De acordo com os mesmos dados, a plataforma de ‘open banking’ da Tink tem cerca de 4.000 utilizadores em toda a Europa e a sua cobertura abrange mais de 250 milhões de consumidores no continente.

“Com este lançamento em Portugal, a Tink completa a cobertura da Península Ibérica”, revelou a empresa.

Este tipo de serviços são possibilitados pela entrada em vigor da diretiva PSD2 que vem permitir a entrada de novos operadores nos serviços de pagamentos, como é o caso dos prestadores de serviços que agregam a informação financeira dos clientes. Isto permite ao cliente juntar numa única plataforma a informação de várias contas bancárias, mesmo que de bancos diferentes.

A legislação traz ainda uma mudança significativa para os bancos, que passam a ser obrigados a partilhar os dados dos clientes (se estes derem autorização) com empresas concorrentes, como as ‘fintech’, perdendo assim uma vantagem competitiva que detinham.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fintech sueca Tink entra em Portugal com plataforma de open banking

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião