Quer mudar de vida? Estes são os melhores países para uma carreira internacional em 2020

O programa de estágios internacionais INOV Contacto considera que esta é a altura ideal para quem procura um desafio profissional fora do país. Sugere cinco países e explica porquê.

Se sente que está na altura de agarrar um novo desafio profissional, 2020 pode ser o ano. Contudo, nem sempre é fácil decidir para onde partir numa aventura internacional. Segundo o programa de estágios internacionais INOV Contacto, esta é uma altura favorável para quem procura uma experiência no estrangeiro.

Esta é a altura indicada para quem procura ter uma experiência profissional lá fora. O custo dos voos está a diminuir, é mais fácil obter vistos de trabalho e as oportunidades de emprego no exterior estão a aumentar”, diz Maria João Bobone, diretora do programa INOV Contacto.

Nem todos os destinos são uma boa oportunidade. O INOV Contacto fez uma seleção e sugere cinco países que considera serem alguns dos melhores para uma aventura internacional no próximo ano. E até explica porquê.

1. Emirados Árabes Unidos

Neste país, um jovem recém-licenciado europeu conseguirá obter um salário mínimo na ordem dos 3.000 euros (não existem impostos sobre o rendimento), podendo ser mais elevado consoante a sua área de estudo e setor de atividade. As áreas com maior taxa de empregabilidade neste país são finanças, hotelaria, serviços em geral e indústria petrolífera. O visto é conseguido com um contrato de trabalho, sendo um dos países mais seguros do mundo e com barreiras linguísticas reduzidas, já que o inglês é a língua predominante.

“É um país virado para o mundo, que agrega e concilia diferentes culturas, religiões e etnias (população local apenas representa 10% da população total), pelo que a qualidade de vida e o conforto oferecidos para estrangeiros são uma das suas principais bandeiras“, acrescenta o INOV Contacto.

2. Cabo Verde

O arquipélago africano de língua oficial portuguesa é um país com grande estabilidade política e paz social, oferecendo uma boa qualidade de vida. A população local é acolhedora, o ritmo de vida é menos acelerado e, em geral, os serviços funcionam bastante bem.

O custo de vida é, habitualmente, mais alto do que em Portugal, no entanto os salários e benefícios de um europeu a viver no país estão de acordo com os padrões internacionais. Os setores com maior empregabilidade são a hotelaria, comércio e outros serviços onde a procura de talento é maior, nomeadamente por comerciais, chefs, técnicos de informática e programadores e contabilistas.

“Quer o visto temporário para experiências profissionais de curta duração, quer o visto de residência são fáceis de obter, apenas um pouco demorados, pelo que devem ser pedidos com antecedência. Trata-se de um país seguro e tranquilo, apesar de serem recomendadas algumas precauções”, sublinha o INOV.

3. Colômbia

O custo de vida em Bogotá, capital do país, pode ser um pouco mais elevado, mas desce para metade em cidades secundárias como Medellín, Cali ou Barranquilla, sendo as melhores opções para viver e trabalhar.

Engenharia industrial, engenharia informática, medicina e geologia são as áreas com mais saída, sendo que uma pessoa com mestrado ou doutoramento facilmente consegue emprego no país. Apesar de o salário mínimo ser de 215 euros, pessoas com mestrado ou especialização podem ganhar facilmente valores entre os 3.000 a 4.000 euros.

“Com sol de primavera todo o ano, o país distingue-se pelo carinho e a simpatia dos locais, na forma como recebem os estrangeiros, e na mistura de cenários urbanos e de natureza”, reafirmam.

"Com base no nosso know-how e experiência em levar jovens a estagiar em empresas e organizações espalhadas pelo mundo inteiro, selecionámos alguns países que oferecem condições positivas para iniciar uma carreira internacional, abrir horizontes e mudar alguns preconceitos”

Maria João Bobone

diretora do programa INOV Contacto

4. Macau

“Para os que sonham com uma experiência na Ásia, Macau é talvez a melhor opção em termos de custo e qualidade de vida”, refere o INOV Contacto. Macau é um dos países asiáticos mais baratos para viver, apesar de o custo ser mais elevado do que na Europa. A oferta cultural e gastronómica e a segurança e estabilidade política, são os três fatores mais atrativos do país.

As profissões com maior probabilidade de sucesso, refere o INOV Contacto, são advogados, economistas, gestores (devido à quantidade de bancos e casinos no país), engenheiros e arquitetos. O salário médio ronda os 2.100 euros. Para obter autorização de residência basta ter um contrato de trabalho com uma empresa local.

5. Reino Unido

“Mesmo com a conjuntura política atual, o Reino Unido continuará a ser um país de eleição para viver e trabalhar. No que diz respeito à qualidade de vida, as características internacionais, a oferta cultural, o nível educativo elevado e as oportunidades sociais e alternativas de lazer fazem do país uma boa escolha para ter uma experiência internacional“, sublinha o INOV Contacto.

O custo de vida é relativamente elevado, mas os salários são bastante razoáveis, com o salário mínimo a chegar aos 1.500 euros, mais do dobro que em Portugal. O Reino Unido apresenta das taxas de desemprego mais baixas dos países desenvolvidos, havendo procura para praticamente todas as profissões, com foco em professores, enfermeiros, profissionais de saúde e restauração. As áreas mais bem pagas são finanças, gestão, engenharia e programação

. “Após o Brexit, será introduzido um sistema de autorização de trabalho semelhante ao usado atualmente para os cidadãos não pertencentes à União Europeia, decisão que está ainda por ser tomada pelo governo britânico”, acrescentam.

Desde 1997, o programa INOV Contact promove estágios internacionais remunerados, um pouco por todo o mundo. Até hoje, mais de 5.500 jovens até aos 29 anos já partiram numa aventura para 82 países, em cinco continentes, e 1.200 entidades já tiveram contacto com o talento português.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer mudar de vida? Estes são os melhores países para uma carreira internacional em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião