Empresas antecipam um abrandamento das exportações este ano

As empresas esperam ver as exportações aumentar 2,1% neste ano, um valor que representa uma desaceleração face às previsões feitas no ano passado.

As previsões das empresas apontam para um crescimento nominal de 2,1% das suas exportações em 2020 face ao ano anterior, revelam os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados esta sexta-feira. Já quando se exclui o segmento dos combustíveis e lubrificantes, o aumento esperado é de 1,7%.

Estes valores traduzem-se numa desaceleração quando comparados com as expectativas expressadas para 2019, quando as empresas exportadoras de bens perspetivavam um aumento de 4%, salienta o INE, nesta que é a primeira previsão para este ano.

No que diz respeito aos mercados para onde se irá exportar, “as empresas esperam um acréscimo de 1,1% nas exportações para os mercados ExtraUE e de 2,4% para os países Intra-UE”, sublinha o INE. Já quando se olha para as categorias económicas, destacam-se as perspetivas de aumento das exportações de máquinas, outros bens de capital (exceto o material de transporte) e seus acessórios.

Estas expectativas estão em linha com as previsões avançadas pelo presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo (AICEP), que disse à Lusa estar “convencido” de que este ano as exportações portuguesas vão continuar a aumentar, apesar da “incerteza” ser o grande desafio.

No acumulado do ano passado, Portugal registava em novembro uma balança de bens deficitária em 19 mil milhões de euros, um saldo pior do que registado em todo o ano de 2018. Nesse mês, as exportações de bens cresceram seis vezes mais do que as importações, números que foram, no entanto, influenciados pelo efeito da greve dos estivadores, que travou as exportações nos meses anteriores.

(Notícia atualizada às 11h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas antecipam um abrandamento das exportações este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião