BRANDS' PESSOAS 12 desejos de recursos humanos para 2020

  • BRANDS' PESSOAS
  • 13 Janeiro 2020

Como podem os recursos humanos contribuir para o desenvolvimento e o crescimento que tanto almejamos? Marta Santos, EY Associate Partner, People Advisory Services, dá a resposta em 12 pontos.

Um novo ano deve ser visto como uma oportunidade de fazer mais. E melhor! Deixo-vos 12 desejos e os votos de um feliz 2020.

1. Visão

Ter uma visão clara de onde estamos, para poder definir com confiança para onde vamos.

Os Recursos Humanos têm de alinhar a sua visão com a visão da empresa, do negócio, do mercado.

2. Estratégia

A estratégia é a forma de concretizar a visão.

É preciso conhecer a estratégia da organização, para que em RH possamos planear, orçamentar, alinhar competências e força de trabalho, analisar necessidades atuais e previsionais para agir estrategicamente e não reagir aos acontecimentos.

3. Liderança

Sem liderança não há sucesso.

É preciso identificar os líderes, conhecer os estilos de liderança que temos na organização, desenvolver as capacidades de liderança num mundo em transformação. É preciso motivar os líderes para que estes motivem e sejam um exemplo para as suas equipas!

4. Talento

Quem são os nossos trabalhadores? Que competências têm? Estão preparados para o futuro?

Um Mapa de Talento, atual e previsional é fundamental para garantirmos uma resposta célere e eficiente às necessidades do negócio.

5. Adaptação

A mudança é hoje uma constante. A diversidade é cada vez mais uma realidade.

A capacidade de adaptação de uma organização deve ser pautada pela sua área de RH, porque são os comportamentos das pessoas que refletem a transformação. E a capacidade de adaptação é, atualmente, sinónimo de sobrevivência.

6. Inovação

Transformação e inovação andam de mãos dadas.

Não trabalhamos como há 5 anos. Temos novos processos de trabalho, novas ferramentas, novos mercados! Num mundo cada vez mais digital, o RH não é exceção. Inovar é ser capaz de olhar de forma crítica para o que fazemos e como fazemos e desafiar o estado atual!

7. Tecnologia

A tecnologia tem evoluído de forma exponencial e não mostra sinais de abrandamento…!

Dos smartphones, às reuniões virtuais… da automatização de processos à utilização de chatbots. Temos cada vez mais presentes colegas robots.

É fundamental que os RH pensem o novo mundo do trabalho – da flexibilidade de trabalho às implicações em termos de relações laborais, a tecnologia vem alterar as regras do jogo. O RH 4.0 é um imperativo.

8. Competências

As organizações precisarão amanhã de competências que ontem seriam consideradas ficção científica.

Numa era que cada vez mais necessita de competências CTEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática), qual o papel das competências comportamentais? Os RH têm de encontrar formas de capacitar, requalificar e reter, de forma a conseguir manter as competências chave na organização.

9. Formação

A inovação e a diversidade de competências exigem uma formação constante para que a força de trabalho não se torne obsoleta.

A formação é cada vez mais contínua, intensa, exigente… Reinventar a formação, através de novas abordagens, ferramentas, plataformas, tecnologias é um desafio que os RH têm de abraçar.

10. Reconhecimento

Reconhecer e ser reconhecido.

Reconhecer as nossas equipas, líderes, trabalhadores. Reconhecer o trabalho de equipa e os destaques individuais. Ser reconhecido – porque é fundamental que o trabalho das áreas de RH seja reconhecido nas organizações!

11. Compensação

Numa época de contenção, é ainda mais preciso repensar os modelos de compensação, integrados numa perspetiva de compensação total.

Conhecer o que os nossos trabalhadores valorizam, de forma que o que estamos a investir se converta em efetivo valor para os colaboradores.

12. Ética

Não há sustentabilidade sem ética.

Numa realidade em que cada vez mais se valoriza a transparência, os RH têm de ter uma orientação muito clara para as questões da ética no trabalho.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

12 desejos de recursos humanos para 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião