Luz verde para concurso de transporte público no Porto

  • Lusa
  • 13 Janeiro 2020

Concurso prevê a uniformização da frota numa marca única para os 17 concelhos da Área Metropolitana do Porto (AMP).

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) revelou que emitiu parecer positivo ao concurso para o serviço público de transporte de passageiros na Área Metropolitana do Porto, que visa substituir as concessões em vigor na região.

O novo concurso, aprovado em outubro pelo Conselho Metropolitano do Porto (CmP), prevê a uniformização da frota numa marca única para os 17 concelhos da Área Metropolitana do Porto (AMP), bem como da bilhética e das tarifas.

A AMT observa, em comunicado, que o procedimento “assume especial relevância para a implementação da reforma” introduzida por um novo regulamento do Parlamento Europeu, “que aprovou o Regime Jurídico do Serviço Público de Transporte de Passageiros no que se refere à adequada contratualização de serviços públicos de transporte de passageiros”.

Esta importância, acrescenta a AMT, deve-se ainda à “dimensão” do concurso e ao facto de “incidir numa importante região metropolitana do país”.

A AMT avisa que vai “acompanhar a execução contratual de forma a garantir que, a todo o tempo, se cumprem os normativos legais e contratuais aplicáveis”.

Tal inclui, refere a AMT, o “reporte de informação, avaliação periódica dos pressupostos da exploração, monitorização do cumprimento das obrigações de serviço público e exigente relação e informação com os passageiros”.

A 25 de outubro, o presidente do CmP, Eduardo Vítor, explicou que o lançamento do concurso para o transporte público rodoviário na AMP aguardava parecer AMT para ser formalmente lançado.

Na ocasião, Eduardo Vítor Rodrigues observou ter dado a indicação à AMP para convocar “rapidamente” uma reunião extraordinária assim que chegue o parecer da AMT.

Até lá, esclareceu, foi determinada uma prorrogação das concessões cujo contrato terminou a 02 de dezembro.

O caderno de encargos do procedimento coloca a concurso cinco lotes, um por cada empresa, prevê ainda uma diminuição gradativa da idade média da frota ao longo dos sete anos da concessão que começa nos 14 anos e termina nos oito anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Luz verde para concurso de transporte público no Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião